Europa quer cobertura plena 5G até 2025


Bloco publicou hoje proposta de nova legislação para as telecomunicações, com a promessa de reduzir o peso regulatório sobre o setor, exigir compromissos das OTTs e conectar escolas, universidades e outros prédios públicos com conexões de 1 Gbps.

continente-europeu-europa-mapaA Comissão Europeia anunciou hoje, 14, uma série de medidas para acelerar a digitalização do mercado regional, ampliar a penetração da banda larga e tornar a velocidade das conexões de internet mais alta no bloco. A ideia é garantir que o continente tenha cobertura 5G (mesmo que ainda não haja definição para o termo) onipresente até 2025. Antes, ao menos uma cidade de cada país da União Europeia deverá ser coberta com uma rede 5G já em 2020.

Para conseguir o feito, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, falou durante discurso anual que pretende simplificar o marco regulatório das comunicações eletrônicas. As novas regras, cujo rascunho já está em consulta, devem facilitar o compartilhamento de infraestrutura de rede de alta velocidade e o investimento conjunto, criar incentivos para investimentos em regiões pouco atraentes financeiramente, e alongar os prazos de outorga de espectro. Empresas que atuam no atacado terão ainda menos regras a atender, de modo a facilitar o investimento em infraestrutura.

Em contrapartida, vai exigir mais compromissos das operadoras e oferecer mais medidas de segurança ao consumidor. O marco deverá, inclusive, exigir das empresas de internet proteções e garantias aos usuários que atualmente só são impostas às teles. Uma nova regulação para a atuação do Berec também será feita, transformando o que hoje é um corpo formado por diversos reguladores em uma entidade de regulação comum a todos os países, dando ao órgão poder para fiscalizar a aplicação da estratégia.

PUBLICIDADE

Além da reformulação legal, a CE prevê criar um programa de implantação de WiFi público, gratuito, em prédios públicos, hospitais, parques e praças, com orçamento de € 120 milhões. Outra meta é conectar todas as escolas, universidades, centros de pesquisa e provedores de serviços públicos com banda larga de 1 Gbps até 2025, e elevar a velocidade média da conexão residencial para 100 Mbps.

Esses planos foram bem recebidos pelo setor de telecomunicações. Entidades que representam tando as operadoras, quanto os fabricantes, aplaudiram os compromissos de melhorar a velocidade e forçar o investimento na 5G. A ETNO, associação das empresas europeias de telecomunicações, afirmou que a iniciativa é bem vinda e vai contribuir para a geração de empregos. A GSMA, grupo de operadoras móveis, ressaltou a importância em facilitar a outorga de espectro e lembrou que será preciso harmonizar seu uso nos diversos países.

Anterior Netflix será distribuído por operadora em mais de 30 países
Próximos Surf Telecom quer alugar seu core de rede para provedores que compraram frequência em 2,5 GHz