EUA já consomem banda larga projetada para o final do ano


Abstract background with animation glowing particles moving of lines for fiber optic network cables spread out across the frame.

A pandemia de COVID-19 acelerou as tendências de consumo de banda larga e antecipou  em quase um ano as projeções iniciais,  aumentando ainda exponencialmente o número de> 1TB / 2TB de “usuários avançados”, de acordo com o relatório do primeiro trimestre de 2020 OVBI (OpenVault Broadband Insights) publicado hoje,4, pela OpenVault, sobre o mercado estadunidense.

O consumo médio no final do 1T20 saltou para 402,5 GB, um aumento de 47% em relação à média do 1T19 de 273,5 GB e um incremento de 17% em relação aos 344,0 GB no 4T19. A consultoria OpenVault havia projetado que o consumo médio chegaria a 425 GB até o final de 2020; e em abril, está a caminho de exceder 460 GB.

PUBLICIDADE

“Quase todo o crescimento do uso da banda larga que esperávamos para 2020 já foi alcançado no primeiro trimestre, com grande parte concentrada nas últimas duas semanas do trimestre”, afirma o relatório. “A pandemia do COVID-19 mudou os padrões de uso da banda larga de maneiras substanciais, talvez permanentemente”, diz o relatório que analisa o mercado dos  Estados Unidos.

As áreas de maior crescimento durante o 1T20 foram usuários avançados de 1 TB ou mais e usuários extremos de 2 TB ou mais. O percentual de assinantes usuários avançados no 1T20 atingiu 10,0%, um aumento de 138% em relação aos 4,2% de usuários avançados no 1T19. Usuários extremos de energia representaram 1,2% de todos os assinantes, um aumento de 215% em relação aos 0,38% do 1T19. O OpenVault havia projetado no início deste ano que até o final de 2020 os usuários avançados e extremos representariam 12% e 1,4%, respectivamente, de todos os assinantes.

“Quase todo o crescimento do uso da banda larga que esperávamos para 2020 já foi alcançado no primeiro trimestre, com grande parte concentrada nas últimas duas semanas do trimestre”, afirma o relatório. “A pandemia do COVID-19 mudou os padrões de uso de maneiras substanciais, talvez permanentemente”, afirma o relatório.

Upstream

O upstream aumentou acentuadamente em março, informa a consultoria,  “à medida que mais pessoas trabalham em casa e usam ferramentas de colaboração como videoconferência”. E esse aumento de uso está empurrando os assinantes para velocidades mais rápidas.

Anterior Instituto TIM esquenta o ritmo de sua bateria com videoaulas
Próximos Sercomtel quer prazo de 1 ano para adaptação da concessão