Enel propõe cobrança menor por CTOs, mas ISPs do Ceará reagem


Crédito: Divulgação
Crédito: Divulgação

A distribuidora de energia do Ceará, a Enel, apresentou nova proposta à Comissão Técnica, formada por ISPs (Abrint, Abramulti, Uniproce e grupo Kariri Conectado) de cobrança por equipamentos passivos instalados em postes. Pelo que foi conversado, a cobrança seria mantida, mas com escala. A definição do fator multiplicador seria de acordo com a relação equipamentos passivos/postes aprovados pela Enel.

Na relação de 10% a 20%, o fator multiplicador seria quatro. Com 30% dos postes aprovados, o fator multiplicador cairia para três e para dois, no caso da relação alcançar de 40% a 50%. O fator multiplicador seria um, caso 50% dos postes sejam aprovados.

PUBLICIDADE

Os contratos de aluguel de postes trazem cláusula prevendo possível cobrança por instalação de elementos passivos. Mas a cobrança nunca foi efetivada. Agora a Enel quer realizá-la com o dobro do valor original, equivalente a seis vezes o preço do uso por ponto de fixação. Os provedores pagam hoje, em média, R$ 11,54 por poste. Assim, o preço cobrado por um CTO colocado no poste será de R$ 69,24, corrigido anualmente pelo IPCA.

Em primeira leitura, a Comissão se posicionou informando que a proposta não atende os anseios dos provedores do Ceará, que já pagam valores muito elevados por poste, afirma Elgton Lucena, do grupo Kariri Conectado. Ele disse que a Enel deverá encaminhar a proposta por escrito para análise detalhada pela Comissão, que terá 15 dias para apresentar uma contraproposta à distribuidora.

Nova frente

Além da Assembleia Legislativa do Ceará, a OAB e o Ministério Público, os ISPs pediram a ajuda da governadora do estado para a luta travada com a distribuidora.  Em carta aberta a Maria Izolda Cela de Arruda Coelho, os ISPs afirmam que a cobrança adicional, anunciada em fevereiro pela Enel, aumenta em 500% o valor que hoje pagam na rubrica de compartilhamento de infraestrutura.

E afirmam: o custo adicional inviabiliza totalmente a operação dos provedores de Internet no Ceará e que tornaria o estado como referência em possuir a Internet mais cara do Brasil. “Além de afetar toda uma cadeia produtiva que emprega milhares de pessoas e que direta ou indiretamente contribui para a vida de aproximadamente cem mil pessoas”, ressaltam.

PUBLICIDADE
Anterior TIM adota solução eSIM da IDEMIA para atender mercado IoT no Brasil
Próximos Câmara aprova PL que obriga ativação do chip FM em celulares