Empresas discutem caminhos para descarbonizar negócios no Brasil


Francisco Scroffa, presidente da Enel X Brasil (Foto: SmartCities Mundi/Reprodução)

O futuro deve ser conectado, com tecnologia acessível e sustentável. Pelo menos é essa a visão de especialistas que compartilharam soluções que já estão em curso no país para e modernizar e descarbonizar negócios brasileiros, em painel apresentado no SmartCities Mundi.

Um dos participantes, Francisco Scroffa, presidente da Enel X, destacou os planos de ampliação da empresa no país. “A nossa missão é descarbonizar nossos clientes, eletrificar ao máximo. Seja ele na cidade, seja ele um cliente de casa, ou corporativo”, disse.

PUBLICIDADE

Para descarbonizar os negócios, a empresa presta serviço de orientação, com dois focos: um deles o de aprimorar a infraestrutura e o outro voltado para redução das despesas. “Temos toda parte de consultoria, para colher informação e ajudar o cliente a fazer a estratégia de descarbonização com um time de consultores”, conta, Scroffa.

A empresa oferece serviços de energia solar associada também à tecnologia IoT, buscando soluções eficientes. De acordo com o presidente da companhia, há milhares de clientes no Brasil.

Descarbonizar negócios com veículos elétricos

A empresa está investindo na ampliação dos pontos de recarga de veículos elétricos, as chamadas “ecovagas”. Inicialmente, há 250 estações instaladas em parceria com a empresa de estacionamentos Estapar, com pontos localizados em shoppings, prédios comerciais, instituições de ensino e aeroportos nas regiões Sul, Sudeste, Nordeste e no Distrito Federal. O objetivo é ampliar para 600 pontos.

“Tem muito carro elétrico do Brasil e é o mercado que mais cresce na América Latina. Hoje temos por volta de 30 mil carros e esse número está se multiplicando”, afirma Scroffa.

Apesar da expectativa de ampliar a frota, o presidente da Enel X destaca que há uma tendência maior de crescimento dos carros híbridos. “É uma ponte entre a gasolina e o carro 100% elétrico. Já há um cardápio amplo de carros híbridos que conseguem fazer de 50 km a 60 km no modo elétrico”, diz Scroffa.

Iluminação pública

A Enel X tem a estratégia também de estar presente nas principais metrópoles do mundo. No Brasil os estados prioritários, onde já estão em curso os serviços de distribuição, são: Ceará, Rio de Janeiro, Goiás e São Paulo.

“A iluminação pública é o primeiro passo para cidades inteligentes. Ao colocarmos um poste de iluminação, a tecnologia permite uma economia de até 50% de energia. É possível colocar câmeras conectadas, wifi, uma série de informações que depois geram serviços para nossos clientes”.

A incorporação de IoT na iluminação pública já está em curso no Brasil. Projeto desenvolvido pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) em parceria com a Qualcomm e o Parque São José dos Campos vai instalar luminárias inteligentes em 12 municípios.

A luminária conta com antena 5G embutida e utiliza a tecnologia de chipset da empresa Qualcomm. Milene Pereira, gerente de Relações Governamentais da empresa, explica que funciona como um “computador” dentro da luminária. “Pode ajudar na gestão do trânsito, semáforos”, afirmou em painel do Smart CitiesMundi.

Milene Pereira, gerente de Relações Governamentais da Qualcomm  (Foto: SmartCities Mundi/Reprodução)

Ainda de acordo com Milene, a Qualcomm, que está presente no Brasil nas mudanças desde a migração dos sistemas analógico para o digital, agora desenvolvendo projetos para usufruir ao máximo das possibilidades proporcionadas pela tecnologia 5G. “A nossa visão é de um mundo conectado, usando diferentes tecnologias, aplicações a qualquer hora e em qualquer lugar”, disse.

SmartCities Mundi

O SmartCities Mundi é uma realização do portal Tele.Síntese em parceria com o Fórum das Américas. O evento segue até quarta-feira (22).

O formulário de inscrição e a programação do evento estão disponíveis no site www.eventos.momentoeditorial.com.br.

PUBLICIDADE
Anterior Living lab: projetos preparam municípios para chegada do 5G
Próximos Busca por cidades inteligentes levanta debate sobre inclusão digital