Embratel tem projetos de 5G e medicina com “grandes players”


embratel

A diretora executiva da Embratel para governo, Maria Teresa Lima, adiantou hoje, 23, em evento da Futurecom que a empresa tem muitos projetos de 5G na área da saúde em fase de desenvolvimento e de implantação envolvendo “grandes players”. Outros ainda estão em fase de experimentação.

PUBLICIDADE

Apesar de não ter citado os nomes dos parceiros, a diretora disse que haverá novidades “muito em breve”. Um dos projetos de uso de 5G na medicina da Embratel explora a realização de cirurgias à distância. Há também um projeto para  compartilhamento de imagens de exames que exigem maior precisão.

Nuvem

De acordo com a diretora, os serviços em nuvem têm sido a aplicação mais solicitada durante a pandemia. A migração já vinha sendo feita nos últimos três ou quatro anos, mas a pandemia foi responsável por acelerar o processo. “Serviços em nuvem são a base para qualquer transformação digital e imagina acontecendo em um ambiente como esse que nós estamos vivendo, [a empresa] precisa de cloud e segurança”, disse.

Ainda que o processo de migração cause certa desconfiança em algumas empresas que planejavam ir para a nuvem de forma lenta em relação à segurança, Lima disse não precisa haver receio no processo desde que ele seja feito de forma correta. Isso significa realizar um rigoroso controle de acesso, utilizar criptografia e, em alguns casos, blockchain.

Além disso, ela destacou que os clientes tem demandado o fornecimento de dispositivos como serviços na pandemia. “Não dá tempo de sair, adquirir, receber, implantar e distribuir [dispositivos]. Então, isso também estamos fazendo”, afirmou.

As empresas também têm procurado soluções de omnichannel com inteligência artificial, principalmente, para atendimento de clientes, cidadãos ou pacientes. Neste ano, a Embratel anunciou a implementação de um projeto omnichannel na empresa de contact center TMT, por exemplo. Outra aplicação de IA com bastante demanda está vinculada à análise de dados.

Anterior Sucesso da regulação responsiva depende da postura das teles, diz Anatel
Próximos Porto de Santos receberá projeto piloto 5G