Em IoT, NoKia elege as áreas de saúde, carro conectado e drones


drone-NokiaUma das apostas da Nokia, fornecedora mundial de infraestrutura de sistemas de telefonia móvil, é o desenvolvimento de ecossistemas de Internet das Coisas, envolvendo a aplicação, a conectividade e os dispositivos. Não é por outro motivo que ela comprou a francesa Withings, em abril, desenvolvedora de dispositivos para a área médica.

As aplicações de IoT ao lado de um rádio 5G, o Airscale, já em comercialização, são o destaque de seu stand no evento da Futurecom, que acontece em São Paulo. Essas duas tendências, segundo Dimitri Diliani, diretor da empresa para a América Latina, marcam os principais desenvolvimentos nos quais a empresa está envolvida.
No caso da IoT, ele destaca que a Nokia decidiu investir em todo o ecossistema tanto na plataforma de aplicação como nos dispositivos.

PUBLICIDADE

O primeiro segmento de aposta da empresa foi o de saúde. Com a compra da Withings, a empresa passou a dispor de um leque de dispositivos como balanças que alimentam a plataforma com informações sobre não só peso do usuário, mas densidade do corpo, relógios que fornecem dados de pressão, batimentos cardíacos, informações sobre o sono, etc.

Segundo Diliani, são dados sobre o usuário que alimentam um banco de dados, que pode orientar procedimentos médicos de diversas naturezas, monitoramentos, etc. “As aplicações em IoT podem, quando voltadas ao indivíduo, melhorar a qualidade de vida”, observou. Ele disse que a empresa está trabalhando com duas operadoras para customizar aplicações para as demandas do mercado brasileiro.

Além das aplicações de saúde voltadas para o cidadão, a Nokia, no mercado mundial, está investindo bastante no carro conectado e em aplicações com o uso de drones nas mais diferentes circunstâncias.

5G

A Nokia deve começar os primeiros deployments de redes 5G em 2017. A falta de standards é um dos fatores da previsão de que só em 2020 as primeiras redes 5G vão entrar em operação comercial. Mas a Nokia já tem um rádio 5G, o AirScale, que suporta diversas tecnologias, desde a 2G até a LTE Advanced Pro.

PUBLICIDADE
Anterior Hispamar quer mais canais de vídeo em seus satélites
Próximos STF vai decidir se município pode taxar antena de celular