Em 2023, o 5G na faixa de 3,5 GHz deve chegar a mais 26 cidades


Vinícius Caram, superintendente da Anatel, lembra que EAF precisa entregar o espectro do 5G limpo nas cidades com 500 mil habitantes em 1º de janeiro de 2023. Para CTIO da TIM, quanto antes as frequências ficarem disponíveis, melhor.

Crédito: Freepik

A corrida da Siga Antenado – EAF para limpar o espectro do 5G em 3,5 GHz e disponibilizá-lo às operadoras vai se intensificar daqui até o final do ano, com extensão dos trabalhos para cidades com 500 mil habitantes ou mais e que não são capitais de estado.

PUBLICIDADE

Hoje, 16, Vinícius Caram, superintendente de Outorga e Recursos a Prestação da Anatel, lembrou que a EAF tem a obrigação de liberar a faixa até 1º de janeiro de 2023 nas cidades com população igual ou superior a meio milhão de habitantes.

“Pelo cronograma do edital, as operadoras terão aí até junho de 2025 para ligar a rede. Mas acreditamos que elas não vão esperar e o cronograma de ativação será antecipado”, disse Caram, durante apresentação no evento 5G Summit Brazil, organizado pela fabricante de semicondutores Qualcomm, em São Paulo.

Em conversa com o Tele.Síntese, ele lembrou: “nas capitais, as operadoras estão ativando o sinal imediatamente, então é pouco provável que queiram esperar dois anos para ligar a rede em cidades que são mercados relevantes”.

O compromisso com a limpeza da faixa de 3,5 GHz foi assumido pelas operadoras Claro, TIM e Vivo. As três compraram a faixa de 3,5 GHz no leilão da Anatel realizado em novembro de 2021. Para cumprir a obrigação, as teles criaram a organização sem fins lucrativos EAF (Entidade Administradora da Faixa), responsável por sanar interferências em estações satelitais profissionais e distribuir kits de recepção de TV por satélite para famílias inscritas no Cadúnico do governo federal.

Até o final de novembro, a EAF terminará a limpeza nas capitais. No momento, a empresa está realizando testes para liberar a frequência no Rio de Janeiro (RJ), Palmas (TO), Florianópolis (SC) e Vitória (ES).

Segundo Leandro Guerra, CEO da EAF, o trabalho de limpeza do espectro de 3,5 GHz nas cidades com 500 mil habitantes ou mais está em fase de planejamento. Ao todo, 26 cidades têm essa população no país.

Leonardo Capdeville, CTIO a TIM, também presente ao evento, confirmou a jornalistas que a TIM não pretende esperar até 2025 para ativar a rede 5G na faixa de 3,5 GHz nestas cidades.

“Se o Gaispi ver que tem a possibilidade de realmente liberar as cidades com mais de 500 mil habitantes, vai ser uma ótima oportunidade para a gente e nossa estratégia comercial. Para nós, quanto antes o espectro for liberado, melhor”, afirmou. Gaispi é o grupo presidido pela Anatel responsável por supervisionar o trabalho da EAF.

PUBLICIDADE
Anterior Desktop anuncia lucro líquido ajustado de R$ 10 milhões no segundo trimestre de 2022
Próximos CGI.br: 78% das crianças e adolescentes do país usam redes sociais