Ellalink, Globenet e Sparkle anunciam novidades


ilustração do cabo submarino da Ellalink, que agora se conecta à rede da Globenet
Foto ilustrativa do EllanLink

O mercado dos operadores neutros de tráfego internacional de dados registrou movimentação nesta quarta-feira, com dois anúncios. Um envolvendo parceria da EllaLink com a Globenet, e outro a criação de um novo ponto de presença da italiana Sparkle no Brasil.

No primeiro caso, a EllaLink, empresa responsável pelo único cabo submarino de fibra óptica que liga a América Latina à Europa, terá, a partir de agora, um PoP (Ponto de Presença) na GlobeNet, permitindo um acesso simplificado dos clientes em ambas infraestruturas.

PUBLICIDADE

Com isso, os clientes brasileiros da GlobeNet poderão utilizar o cabo EllaLink – que se estende por 6 mil km sob as águas do Atlântico, entre Fortaleza (Ceará) e Sines (Portugal) — para acessar o ecossistema de provedores de conteúdo de serviço e pontos de troca de tráfego (IXs) na Europa. Da mesma forma, empresas europeias poderão utilizar o cabo EllaLink para acessar a rede da GlobeNet.

O cabo EllaLink tem conexão de até 100 terabits por segundo. Já a GlobeNet oferece conectividade com rotas que abrangem mais de 26.000 km, passando por Argentina, Brasil, Venezuela, Colômbia, Bermudas, e EUA.

Sparkle

Outra atacadista global, a italiana Sparkle, subsidiária do Grupo TIM, também anunciou novidades nesta quarta-feira, 27. A empresa avisou que inaugurou um ponto de presença em Fortaleza (CE), no ponto de troca de tráfego da cidade, mantido pelo IX.br.

Outras capitais com PoP da Sparkle são São Paulo, Rio De Janeiro, Porto Alegre e Salvador.

Segundo a Sparkle, o novo PoP de Fortaleza foi criado para atender a crescente procura de conectividade de diversos países com o Brasil. É o segundo do tipo existente em Fortaleza e o 14º por aqui pertencente à empresa.

A estrutura está integrada à rede que conecta Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Colômbia, Panamá, Peru, Porto Rico e Venezuela.

PUBLICIDADE
Anterior Novo presidente da CCTCI da Câmara defende reversão da liquidação do Ceitec
Próximos YouTube vai moderar vídeos privados, comentários e títulos nas eleições