Economia defende integração do governo digital


O secretário de governo digital do ministério da Economia, Luis Felipe Monteiro,  ao participar do 5×5 TecSummit, disse que se cada órgão criar o seu digital, o processo ficará ainda mais lento. Lembrou ainda que o digital exige integração e enxergar o cidadão como um ser único.

Usar as tecnologias digitais como parte integrante das estratégias de modernização dos governos para criar valor público é um dos objetivos da pasta liderada por Luís Felipe Monteiro, secretário de governo digital do Ministério da Economia. Keynote do primeiro dia do evento 5×5 TEC Summit, nesta segunda-feira 7/12, Monteiro destacou que trabalha com a meta de entregar serviços digitais a toda a sociedade e não  apenas para quem está incluído digitalmente ou para os mais favorecidos.

“A estratégia centrada no gov.br concentra métodos que todos possam compartilhar e acelerar a transformação digital — se cada órgão for criar o seu governo digital, esse processo será lento, fragmentado e não vai atender à necessidade do brasileiro”, destacou. “Precisamos para ontem ter o governo digital. Já estávamos 15 anos atrasados nisso e precisamos tirar este atraso. O governo precisa ser integrado, porque não existe governo digital, se não houver integração; e o cidadão precisa ser visto como único”, acrescentou.

O plano para tanto inclui o compartilhamento de recursos e tecnologia para acelerar processo de transformação digital. Segundo Monteiro, de janeiro deste ano até novembro último já foram transformados mais de mil serviços públicos federais e hoje o governo oferta 4.078 serviços públicos diferentes, com  93 milhões de páginas visitadas por mês, atingindo 86 milhões de cidadãos.

Um dos projetos mais arrojados é a criação de uma identidade digital. Atualmente, o Ministério da Economia trabalha junto com o TSE para fazer uso da base biométrica que o corte eleitoral possui. “O TSE, que fez trabalho incrível de coleta biométrica, tem uma base segura e precisa e estamos em momento importante de externalizar esta biometria a partir de serviços”, disse.

Sem fornecer muitos detalhes, Luís Felipe Monteiro disse que o projeto segue na direção de criar um barramento de identificação. “Estamos em um intenso programa com TSE. Nos próximos meses teremos boas novidades. Vamos formalizar esta cooperação com TSE e isso vai ficar mais claro em apresentação que ministros vão fazer nos próximos dias”, completou.

O 5×5 TecSummit, evento organizado pelo Convergência Digital, Mobile Time, Tele.Síntese, Teletime e TI Inside, até o dia 11 de dezembro. Amanhã, dia 09, a discussão será sobre energia.  No dia, 10, a vertical em debate será finanças. O evento encerra com uma discussão sobre o impacto da indústria de entretenimento no BrasilInscreva-se.

 

 

Anterior Dynatrace: transformação digital do governo passa por viabilizar a experiência do usuário
Próximos Omnichanel deve ser ferramenta para a inclusão digital