EAF completa a composição da diretoria


A Entidade Administradora da Faixa (EAF) comunicou hoje, 4, que completou a composição de sua diretoria. O CEO Leandro Guerra é o diretor geral, Patrícia Abreu é a diretora de Comunicação e Antonio Parrini é o diretor corporativo. A EAF é responsável pela implementação dos compromissos de desocupação da faixa de 3,5 GHz previstos para o início das transmissões do 5G.

PUBLICIDADE

Também compõem o corpo diretivo da entidade o CFO Paulo Cozza, que atua na área de finanças, que ocupará o cargo de diretor corporativo, e o almirante Silvio Starling, que será o Diretor de Compliance e Governança da entidade.

A nova diretoria está focada em cumprir a primeira fase do edital da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), com o atendimento das metas de limpeza de faixa a partir de junho de 2022, iniciando pelas capitais.

A formação enxuta da equipe – composta por presidente e quatro diretores – foi pensada para dar agilidade às ações da entidade que tem o desafio de abrir os caminhos para o 5G.

Obrigações do edital

Guerra, foi responsável pela estruturação do corpo diretivo da entidade. Os diretores foram selecionados pela atuação no setor e pela competência técnica, de execução e gestão financeira da entidade, que conta com um orçamento de aproximadamente R$ 6,3 bilhões para implementar todas as contrapartidas previstas no edital do 5G – o Edital nº 1/2021 da Anatel – até 2025.

A entidade está comprometida com o cumprimento dos prazos estabelecidos no edital e tem direcionado todos os esforços de estruturação da sua operação institucional. Em menos de dois meses já tem a estrutura técnica definida, com a diretoria completa, além de ter aberto as primeiras RFPs (Request for Proposal) para o fornecimento de equipamentos e serviços. Neste momento, finaliza a estruturação interna de administração, recursos humanos, financeiro e tecnologia.

As vencedoras dos blocos nacionais da faixa no edital do 5G, Claro, TIM e Vivo cumprem as obrigações do edital do leilão ao implementar a EAF, cuja responsabilidade é, principalmente, operacionalizar a desocupação, migrar as faixas para a entrada do 5G e substituir as antenas parabólicas TVRO. A entidade é fiscalizada pelo Grupo de Acompanhamento da Implantação das Soluções para os Problemas de Interferência na faixa de 3.625 a 3.700 MHz (GAISPI), da Anatel. (Com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Com ativos da Oi e 5G, TIM define meta de superar as rivais
Próximos Oi tem prejuízo de R$ 8,49 bilhões em 2021