Dynatrace: transformação digital do governo passa por viabilizar a experiência do usuário


Ao participar do 5×5 TecSummit nesta segunda-feira, 7, o diretor de Vendas da Dynatrace Brasil, Carlos Sakae, lembrou que é impossível ao governo trocar todas as suas aplicações para fazer algo novo em função da transformação digital. O melhor processo, lembrou, é o de fazer o software funcionar direito antes mesmo de se pensar em uma migração para a computação em nuvem.

“O software tem de funcionar para se garantir a transformação digital. Não passa por trocar tudo, até porque falta dinheiro, mas melhorar o que se tem em produção”, observou Kazae. E é nesse processo que a Dynatrace entra como fornecedora de uma plataforma de software, batizada por Dynatrace One Agent, para monitorar os ativos dos servidores, estejam eles em cloud ou em um datacenter privado.

PUBLICIDADE

Para Kazae, o grande desafio do CIO – seja ele da iniciativa privada ou do governo – é garantir a melhor experiência para o usuário. “E para isso é preciso conhecer a causa e a raiz dos seus problemas de TI. E isso passa pelo monitoramento de software”, afirmou.

No Governo, adicionou o especialista, ainda há o uso dos mainframes, que exigem um trabalho ainda mais refinado de integração e de monitoramento.

Amanhã, 8, é dia de discutir Saúde Digital. No dia 09, será a vez do setor de energia. No dia 10, o debate é sobre tecnologia e finanças. O evento acaba no dia 10 de dezembro, com um debate sobre tecnologia e entretenimento. Inscrevam-se!

Anterior Huawei: interoperabilidade é chave para eficiência
Próximos Economia defende integração do governo digital