Dilma sanciona PPA e plano não traz metas para banda larga fixa


No Programa Banda Larga para Todos, a intenção do governo era a de aumentar a velocidade média da banda larga fixa para 25 Mbps em quatro anos e levar banda larga de qualidade para 90% da população brasileira ou 95% dos municípios. No PPA sancionado hoje, 14, está registrada apenas a intenção de “aumentar a velocidade média da banda larga fixa”. Ou ainda -“ampliar a parcela da população coberta com rede de transporte (backhaul) óptica”, sem falar o número de municípios a serem atendidos.

Já no serviço móvel, cujos investimentos são todos feitos pelas operadoras privadas e compromissos são definidos na venda de espectro, o PPA traz metas bem mais detalhadas e capazes de serem cobradas no futuro. Conforme o plano, em quatro anos o governo pretende que 90% dos usuários brasileiros já tenham a banda larga móvel em seus celulares – com a rede 3G ou 4G. Isso significa que pelo menos 68 milhões de usuários dos atuais 76 milhões que ainda estão na rede 2G teriam que migrar para as novas tecnologias.

PUBLICIDADE

E o documento traz metas por região. Assim, em 2019, a região Centro-Oeste seria aquela com o maior número de acessos em 3G e 4G em serviço (91,70%), seguida pela Sudeste ( 91,40%), Sul (87,10%), Nordeste (89,80%) e Norte (86,4%). O Plano pretende ainda disponibilizar o serviço móvel em todos os municípios brasileiros. O que já é meta contratada pelo leilão de 3G da Anatel.

Propõe também atender 11.000 áreas de vulnerabilidade digital com acesso à internet pelo Programa GESAC e implantar 262 cidades digitais.

Satélite e rede privativa

O PPA cita  o satélite geoestacionário e o cabo submarino Brasil/Europa da Telebras como projetos estratégicos e fala também em investimentos de R$ 7 milhões para a construção de rede privativa da Administração Federal, que ficará concluída em 2019.

Como políticas de estímulo ao setor cita a realização de leilões reversos, políticas de financiamento para os pequenos provedores;  reavaliação do modelo de gestão da qualidade de serviços de telecomunicações ;reavaliação do modelo de gestão de espectro de radiofrequências destinado à prestação dos serviços de telecomunicações ;reavaliação do modelo de autorização e licenciamento de serviços de telecomunicações; reavaliação da regulamentação sobre o licenciamento de estações de telecomunicações;disponibilização de espectro de radiofrequências para a prestação de serviços de telecomunicações que suportem o acesso à internet em banda larga; e  reavaliação do regime e escopo da prestação dos serviços de telecomunicações

 

 

 

 

Anterior Nokia e Alcatel-Lucent: o primeiro dia, € 8,1 bilhões em caixa
Próximos Telebras fornecerá infraestrutura de rede da Campus Party no lugar da Telefônica