Destinação da faixa de 4,9 GHz tem consulta prorrogada para agosto


Crédito: Freepik
Crédito: Freepik

A consulta pública nº 23, da proposta de alteração da destinação da faixa de 4,9 GHz para o 5G foi prorrogada por mais 96 dias. A decisão do Conselho Diretor da Anatel atende à reivindicação do Sindicato Nacional das Empresas de Telecomunicações por Satélite (Sindsat), em função da retirada da banda de guarda dos serviços fixos por satélites, que usam a faixa de 4,8 GHz.

Segundo a entidade, a proposta para redestinação da faixa 4,9 GHz apresenta determinadas similaridades com o contexto do processo da licitação do 5G, e portanto pode se aproveitar dos aprendizados associados a esta licitação, especialmente no que tange a faixa de 3,5 GHz, performance dos filtros e a consequente necessidade ou não de faixa de guarda junto a 3,7 GHz. “Em julho próximo, com a implantação do 5G nas capitais, teremos o primeiro teste real da convivência entre os serviços móveis e os serviços por satélite com a utilização de filtros e demais medidas adotadas”, argumenta.

PUBLICIDADE

Para o Sindsat, o início da operação do 5G na faixa de 3,5 GHz será uma oportunidade ímpar para que todas as partes interessadas (Anatel, operadoras de satélite, operadoras móveis) possam constatar como os serviços se comportarão nessa faixa de frequência, na ausência de faixa de guarda e apenas com a implantação dos filtros. “Ao final desta fase, será possível avaliar qual a efetividade das medidas de mitigação adotadas pelo 5G no ambiente real”, avalia.

Com a prorrogação, o prazo final de contribuição fica para 31 de agosto deste ano.

PUBLICIDADE
Anterior Surf Telecom põe à venda fatia do sócio minoritário
Próximos Investidores do Twitter vão à justiça contra Musk por conduta irregular