Desktop vende 5,27% de suas ações para gestora JGP


JGP. Crédito: Freepik
Crédito: Freepik

Os investidores da gestora de recursos e patrimônios JGP agora detém 5,27% das ações da Desktop. A compradora negociou no Ibovespa nesta semana a compra de cerca de 4,5 milhões de ações da provedora.

Em comunicado ao mercado, as empresas declararam que a aquisição não tem a intenção de “alterar a composição de controle ou estrutura administrativa da Companhia”. A entrada da JGP tampouco dispõe de regulação para os votos da gestora.

PUBLICIDADE

A Desktop entrou na bolsa de valores na metade deste ano com ações a partir de R$ 23,50. O IPO emitiu 35 milhões de ações ordinárias, movimentado R$ R$ 822,5. Na época, fontes afirmaram ao Valor Econômico que os principais interessados pelos títulos da Desktop estavam investidores institucionais brasileiros, dentre eles a JGP.

Último Resultado

E operadora reportou, na semana passada, o resultado do terceiro trimestre do ano.  O lucro líquido, de R$ 12,02 milhões, recua 1% na comparação com o resultado obtido no mesmo período do ano passado. O Ebitda totalizou R$ 35,53 milhões, alta de 38% na mesma base de comparação.

Já o Ebitda ajustado fechou setembro deste ano em R$ 40 milhões, representando uma margem Ebitda de 42% no trimestre, queda de 18 pontos porcentuais (p.p.) na comparação anual.

companhia atribuiu a queda ao plano agressivo de expansão, que adicionou 34 mil clientes, apenas com o crescimento orgânico para sete cidades: Sorocaba, Pirassununga, Itupeva, Casa Branca, Porto Ferreira, Santa Cruz das Palmeiras e Santa Rita do Passa Quatro.

“Encerrando o 3T21 com cobertura em 68 cidades, alta de 240% em relação a igual período do ano anterior, quando atendíamos 20 municípios”, afirmou o presidente da companhia, Denio Alves, na conferência dos resultados. Segundo ele, a empresa vai entrar em novos estados a partir de 2022. Ele, no entanto, não quis adiantar quais por considerar a informação estratégica.

 

 

(Com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Migração da concessão precisa ser definida até 2023, defende Pereira Neto
Próximos Bem reversível deve ter um único valor, defende Cláudia Viegas