Decreto prioriza segurança nacional nas redes de telecom e demais infraestruturas críticas


O governo publicou, nesta quinta-feira, 10, a Estratégia Nacional de Segurança de Infraestruturas Críticas (Ensic), com o objetivo de orientar o Plano Nacional de Segurança de Infraestruturas Críticas; e o Sistema Integrado de Dados de Segurança de Infraestruturas Críticas, e que reunirá todas as informações produzidas e será empregado no apoio às decisões. O texto não fala em restrições explíticas de empresas ou países, mas deixa clara a preocupação com equipamentos usados nessas infraestruturas.

O documento prevê ações estratégicas que visam contribuir para o incremento do nível de segurança nacional, em especial no que se refere a energia, transportes, águas, finanças e comunicações. De acordo com o texto, as diretrizes são pautadas no aprimoramento e na efetividade das ações de segurança de infraestruturas críticas nacionais, por meio de exemplos de políticas semelhantes adotadas por outros países, além da cooperação entre órgãos, entidades e entes federativos ou mesmo entre os setores público e privado, sejam eles de participação nacional ou estrangeira.

E, entre seus eixos estruturantes, está a necessidade de conscientizar a administração pública e o setor privado da importância da relação entre o interesse da defesa e da segurança nacional com a segurança de infraestruturas críticas. “ Fortalecer o arcabouço normativo que defina a prevalência do interesse da defesa e da segurança nacional na proteção, conservação e expansão das infraestruturas críticas sobre outros interesses”, ressalta.

Prevê também estabelecer no Plano Nacional de Segurança de Infraestruturas Críticas a elaboração de Planos Setoriais de segurança de infraestruturas críticas, sob responsabilidade dos órgãos e das entidades envolvidos com cada setor. A Ensic ainda estabelece uma atuação junto ao Congresso Nacional, visando transformar a política de infraestruturas críticas em um programa de Estado.

Anterior Cade autoriza venda de data centers da Oi ao Grupo Piemonte
Próximos Leilão 5G será decisivo para retomada dos fornecedores de infraestrutura em 2021