Daniel Gomes é o novo COO da Um Telecom


A Um Telecom anunciou Daniel Gomes como seu novo Chief Operating Officer (COO). O executivo passou a ocupar o novo posto a partir de 1º de janeiro.  Responsável por comandar projetos estratégicos que envolvem futuros investimentos da empresa, Gomes dará sequência ao processo de transformação digital pela qual o grupo vem passando desde 2019.

PUBLICIDADE

Em 2020, a Um Telecom apresentou faturamento de R$ 55 milhões, 10% superior ao do ano anterior. Um dos responsáveis por esse desempenho, o portfólio de soluções digitais representou cerca de 20% da receita advinda de novos contratos no ano. “Essa participação no faturamento é bastante significativa, uma vez que em 2019 ela era praticamente inexistente. Em razão da pandemia, nossas ações em 2020 foram mais cautelosas, porém, tais números mostram que estamos no caminho certo”, destaca o novo COO.

O “link seguro” é, atualmente, um dos principais carros-chefes do portfólio da Um Telecom na área de segurança.  Esta solução digital monitora e protege a rede das empresas contra ataques cibernéticos. Para 2021,  a empresa espera ampliar seu faturamento em 25% e, para isso, o novo VP da Um Telecom pretende ampliar a participação das soluções de computação em nuvem no faturamento da Um Telecom, representada, principalmente, pelas soluções de nuvem privada e de de Video Cloud Inteligente – sistema de videomonitoramento que, a partir de armazenamento de dados na nuvem e Inteligência Artificial, realiza o reconhecimento facial e a medição de temperatura corporal de um grupo de pessoas, ao mesmo tempo.

“Uma das tendências para o mercado de soluções digitais em 2021 é acelerar ainda mais o uso da computação em nuvem pelo fato de as empresas estarem, cada vez mais, consumindo aplicações e infraestrutura na nuvem. Oferecemos a possibilidade de o cliente mover seus dados para a nossa nuvem, reduzindo custos e excluindo a necessidade de manutenção e investimento em data center”, explica o novo COO da Um Telecom.

5G

O executivo acredita que 2021 será um ano decisivo para as Operadoras Competitivas, em virtude do leilão do 5G. Para Daniel Gomes, esse grupo de operadoras, do qual faz parte a própria Um Telecom, devem se posicionar e definir como será a participação delas para não ficarem de fora. “O 5G é essencial para a conectividade no país e as Competitivas deverão participar de alguma forma. Hoje, o Brasil possui apenas 100 mil torres de conexão 2G, 3G e 4G. A China, por sua vez, possui 600 mil apenas de 5G. A partir daí é possível notar a urgência do investimento”, explica Gomes.(Com assessoria de imprensa)

Anterior As diferenças entre os releases 15 e 16 da 5G
Próximos Agenda regulatória da ANPD provoca debate