Preços de telefonia e internet no Brasil continuam entre os mais altos do mundo, diz UIT


Valor médio do serviço celular era avaliado em US$ 48,32 por mês ao final de 2013, conforme a UIT. No país, o custo da banda larga para a população mais carente representa um peso 20 vezes maior que o preço do mesmo serviço representa para os mais ricos. O SindiTelbrasil, que representa as operadoras de telecom aqui instaladas, contesta os números da entidade. Segundo o sindicato, a custo do celular brasileiro seria de 7 centavos de dólares, ou 13% do valor divulgado pela UIT.

Os custos da internet e da telefonia no Brasil continuam entre os mais altos do mundo, segundo relatório da União Internacional de Telecomunicações (UIT), divulgado nesta segunda-feira (24). No país, o custo da banda larga para a população mais carente representa um peso 20 vezes maior que o preço do mesmo serviço representa para os mais ricos. E 44% das pessoas que têm computador em casa não conseguem pagar uma assinatura para ter internet.

No caso da telefonia móvel, o relatório revela que o custo de uma ligação no Brasil é superior ao de todos os países europeus e consome uma proporção maior da renda que em países como Cuba, Paquistão, Argélia ou Guiné Equatorial. De 166 países avaliados, apenas 47 deles têm um custo superior na ligação ao que o brasileiro paga no celular, entre eles Etiópia, Albânia, Ruanda e Madagascar. Os locais onde a ligação tem o menor custo são Macao, Hong Kong e Dinamarca.

PUBLICIDADE

A cesta que serve de comparação reúne a assinatura mensal de um celular, com 30 ligações por mês, mais 100 mensagens de texto. O valor médio do serviço no Brasil chegaria a US$ 48,32 por mês ao final de 2013. Em comparação à renda média do país, o custo equivale a 4,96%.

Em Macau, o mesmo serviço custa menos de US$ 6,00 e representa meros 0,11% da renda. Em pelo menos 36 países, o custo de um pacote parecido sairia por menos de 1% da renda mensal de um trabalhador.

Apesar de alto, o custo com a telefonia móvel apresentou redução na comparação com o relatório divulgado em 2013. A cesta cobrada no Brasil chegava a US$ 60 por mês. As teles reclamam que os valores são obtidos sem considerar as promoções ofertadas.

Telefonia fixa

No que se refere à telefonia fixa, o Brasil aparece apenas na 110ª posição dos 166 países avaliados, com um custo de US$ 24,00 por uma assinatura mensal, mais 30 minutos de ligações locais. Isso representa 2,50% da renda média de um trabalhador.

No Irã, a taxa sai por apenas doze centavos de dólares por mês, contra 24 centavos em Cuba. Nesses países, a telefonia fixa custa por mês entre 0,03% e 0,05% da renda média.

Numa conta geral, o Brasil aparece na 90ª posição entre os 166 países avaliados no que se refere ao custo da telefonia. Hoje, são 22 telefones fixos para cada 100 pessoas. O número de celulares é de 135 para cada cem habitantes. Em 2012, a taxa era de 125.

Banda larga

O custo da banda larga no Brasil representa 1,42% da renda mensal média, o que coloca o País na 46º posição numa classificação onde o serviço é mais caro. Na Áustria, onde a banda larga é a mais barata do mundo, o serviço consome apenas 0,13% da renda média mensal de um trabalhador.

Na banda larga móvel, a situação do Brasil também está entre os mais caros. Numa classificação de 166 países, o Brasil aparece apenas na 102ª posição. O custo representa 4,14% da renda mensal de um trabalhador brasileiro.

Segundo a UIT, entre 20% e 30% da população ainda considera que os serviços são caros demais para que possam pensar em ter um celular com internet rápida. Para a entidade, falta competição no país.

SindiTeleBrasil contesta números

​O preço médio do minuto do celular no Brasil é de cerca de US$ 0,07 (7 centavos de dólar), o que representa 13% do preço apontado pelo levantamento da União Internacional de Telecomunicações (UIT), divulgado hoje. A diferença de preços pode ser explicada pela metodologia utilizada pela UIT, que provoca uma distorção nos resultados ao levar em conta os planos “homologados” pela Anatel, que são uma espécie de preço-teto do minuto da telefonia móvel, e não os valores efetivamente praticados no mercado brasileiro.

Estudo elaborado pela consultoria Teleco revelou que o minuto do celular no Brasil é o quarto mais barato do mundo, considerando um grupo de 18 países, que concentram 57% dos telefones celulares do mundo. De acordo com esse levantamento, feito diretamente nos sites das prestadoras de cada país, o preço do minuto no Brasil é de US$ 0,07, ficando atrás apenas da China, Índia e Rússia. Esse valor leva em conta dados de tráfego que mais se assemelham ao perfil de uso do celular no Brasil e já inclui os tributos.

O Desempenho Comparado de Preços do Celular traça três linhas de análise dos preços do celular no Brasil em comparação com outros 17 países. A primeira delas considera a realidade brasileira, numa cesta de produtos de 100 minutos de ligações, sendo 90% destinadas a celulares da mesma prestadora, 5% para celulares de outras prestadoras e 5% para telefones fixos. Essa Cesta Brasil custa US$ 6,90, cerca de R$ 15,00, com tributos, segundo valores apurados durante a realização do estudo, em julho deste ano.

A segunda linha leva em conta a média de utilização entre os 18 países estudados. Neste caso, considerando-se os mesmos 100 minutos, o volume de chamadas para celulares da mesma operadora é de 70%, para telefones móveis de outras operadoras é de 15% e para telefones fixos 15%. Neste cenário, a cesta no Brasil custa US$ 15,20, com tributos.

A terceira linha utiliza os mesmos itens da cesta da UIT, com baixa utilização do serviço. São 51 minutos, sendo 53,1% em chamadas para celulares da mesma operadora, 26,4% para ligações para telefones móveis de outras operadoras e 20,5% em chamadas para telefones fixos. Com isso, a cesta brasileira apurada é de US$ 12,20, com tributos.

O resultado do estudo da Teleco, a partir de dados reais, mostra que a mesma cesta utilizada pela UIT custa um quarto do valor apontado no relatório da União Internacional de Telecomunicações, que foi de US$ 48,32, com tributos. Considerando então a Cesta Brasil, que mais se assemelha ao perfil de consumo do brasileiro, o preço do minuto do celular no Brasil é oito vezes mais barato que o apontado pela UIT.

Caso os valores apontados pela UIT estivessem corretos, a conta média do brasileiro, que gasta em média 132 minutos por mês, seria de cerca de R$ 180, ou seja, 25% do salário mínimo brasileiro. Dados do IBGE mostram que o gasto das famílias com celular é de cerca de 1% da renda. Quem ganha até R$ 830, por exemplo, tem um gasto de R$ 7 por mês com o celular. ( Com agências e assessoria de imprensa).

 

PUBLICIDADE
Anterior Operadoras fazem Black Friday com descontos em aparelhos e planos
Próximos Telecom Italia e Ericsson fecham parceria para a Expo 2015