Curitiba fica em 1º no Índice de Cidades Digitais 2012


Rio de Janeiro ficou com a segunda colocação, seguida de Belo Horizonte. Viória (ES), Tauá (CE) e Guarulhos (SP) ficaram com os destaques nas categoria acessibilidade, acesso público e serviços e aplicações, respectivamente. O levantamento mostrou que o nível de digitalização dos municípios cresceu no país, tanto que a pontuação das cidades que participaram pela segunda vez da pesquisa tiveram aumento médio de 22%.


A segunda edição do Índice Brasil de Cidades Digitais (IBCD), divulgado nesta terça-feira (3) em São Paulo, premiou Curitiba como cidade com maior nível de digitalização do Brasil. O Rio de Janeiro e Belo Horizonte ficaram com a segunda e terceira colocação, nesta ordem. Os municípios de Vitória (ES), Tauá (CE) e Guarulhos (SP) apareceram como destaques em acessibilidade, acesso público e serviços e aplicações, respectivamente.

De modo geral, o levantamento, realizado pelo CpQD em parceria com a Momento Editorial, mostrou que o nível de digitalização dos municípios cresceu no país, acompanhando o aumento dos investimentos no uso de Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs). Tanto para melhorar a eficiência dos seus processos de gestão como os serviços prestados ao cidadão.

PUBLICIDADE

“Houve uma melhora na pontuação das cidades que participaram pela segunda vez da pesquisa. Prova disso é o aumento médio de 22% na pontuação dessas cidades”, afirma Hélio Graciosa, presidente do CPqD.

Os resultados mostram um aumento dos investimentos em digitalização, na avaliação de Fátima Fonseca, editora executiva da Momento Editorial. Investimentos somados à prioridade dada à digitalização de processos e serviços explicam a evolução de alguns municípios no ranking, como Anápolis, em Goiás, que saltou da 49.ª posição, em 2011, para o 6.º lugar, nesta edição, ou Guarulhos, em São Paulo, que foi da 19.ª para a 9.ª posição. Outras cidades, já bem pontuadas em 2011, também avançaram. É o caso de Curitiba, que saiu do 2.º lugar, em 2011, para a liderança do IBCD 2012.
           
Além disso, vários municípios entraram no ranking deste ano com pontuação elevada. Um bom exemplo é o Rio de Janeiro, que ficou na segunda posição, com 407 pontos. O resultado desse aumento está refletido na evolução das cidades na escala da digitalização, constituída de seis níveis, de acordo com a metodologia do CPqD.

Se, na edição 2011 do IBCD, apenas quatro municípios se encontravam no nível Serviços Eletrônicos – o qual representa metade do caminho para o topo da digitalização –, neste ano, 30 das cem cidades já atingiram esse nível. Já o número de municípios no nível um (o mais baixo na escala de digitalização), chamado Acesso Básico, e no nível dois, Telecentros, permaneceu o mesmo. Foram seis cidades (de uma base de cem) enquadradas no nível um e 64, no nível dois.

Do total de cem municípios do ranking do Índice Brasil de Cidades Digitais 2012, 58 são da região Sudeste (especialmente de São Paulo), 25 do Sul, 12 do Nordeste, três do Centro-Oeste e apenas dois estão na região Norte.

Aperfeiçoamento

Graziella Cardoso Bonadia, responsável pelo trabalho no CPqD, explica que houve um aperfeiçoamento da metodologia neste ano, o que permitiu fazer uma avaliação mais precisa das iniciativas envolvendo o uso das TICs nas cidades brasileiras. Essa avaliação foi feita a partir de um questionário, respondido pelos gestores municipais, e ainda de dados complementares levantados pela equipe do IBCD (como população, número de acessos e velocidade média de conexão à internet).

Com base nessas informações, foi atribuída a pontuação de cada município, que leva em conta uma série de critérios. Divididos em nove categorias, esses critérios consideram não só a infraestrutura tecnológica (presença de equipamentos primários, banda, cobertura geográfica, etc), mas também a disponibilidade de serviços digitais e de recursos de acessibilidade, por exemplo, para pessoas com deficiências físicas ou analfabetas. “Na categoria presença de equipamentos primários, a pontuação tem peso menor; enquanto na categoria serviços eletrônicos, o peso é bem maior”, diz Graziella.

Resultado de um trabalho inédito realizado pelo CPqD em parceria com a Momento Editorial, o ranking traz, neste ano, um total de cem cidades – o que representa um aumento de 33% em relação aos 75 municípios que participaram em 2011.
             
Confira a lista geral dos premiados:

1.º – Curitiba (PR)  – 423 pontos
2.º – Rio de Janeiro (RJ) – 407 pontos
3.º – Belo Horizonte (MG) – 398 pontos
4.º – Vitória (ES) – 396 pontos
5.º – Campinas (SP) – 390 pontos
6.º – Sorocaba (SP) – 388 pontos
6.º – Anápolis (GO) – 388 pontos
7.º – Porto Alegre (RS) – 387 pontos
8.º – Jundiaí (SP)  – 385 pontos
9.º – Guarulhos (SP) – 382 pontos
10.º – Santos (SP)  – 378 pontos

Prêmio por categoria:

Acessibilidade – Vitória (ES)
Acesso Público – Tauá (CE)
Serviços e Aplicações – Guarulhos (SP)

A lista completa dos cem municípios do Índice Brasil de Cidades Digitais 2012 encontra-se disponível nos sites do Wireless Mundi e do CpQD

PUBLICIDADE
Anterior Rio+20 foi teste de grande evento para Oi
Próximos Parlamento Europeu rejeita ACTA definitivamente