Criação da FiBrasil foi eleita principal negócio em telecom da AL em 2021


A IJ Global, publicação britânica focada no mercado global de infraestrutura, elegeu a criação da FiBrasil como o “negócio do ano” na América Latina no setor de telecomunicações. O IJ Global Awards é concedido anualmente às melhores operações de infraestrutura e energia em diferentes regiões do mundo, de acordo com categorias específicas.

PUBLICIDADE

O CDPQ, grupo de investimento canadense, e o Grupo Telefónica anunciaram em março de 2021 a criação da FiBrasil, uma joint venture destinada à construção, desenvolvimento e operação de uma rede neutra de fibra independente, em um modelo de atacado, para empresas de telecomunicações que desejam expandir sua cobertura em todo o Brasil.

O Grupo Telefónica e o CDPQ detêm, cada um, 50% da FiBrasil sob um modelo de governança de controle compartilhado. A participação de 50% do Grupo Telefónica é formada por meio da Telefônica Brasil e da Telefónica Infra, cada uma com uma participação de 25%.

Embora tenha iniciado sua operação em julho de 2021 com 1,4 milhão de domicílios cobertos em 34 cidades, a empresa fechou 2021 com 2 milhões e espera ampliar sua infraestrutura de fibra para 6 milhões de residências e empresas nos próximos quatro anos, cobrindo mais de 250 cidades. A Vivo é o primeiro cliente de atacado, com dez anos de contrato, e conta com a infraestrutura da FiBrasil para chegar a 29 milhões de domicílios até o final de 2024.

A Fibrasil tem a proposta de auxiliar o negócio dos provedores e impulsioná-los no mercado de banda larga por conta da otimização de recursos. Com a FiBrasil, esses provedores substituem o risco de alto investimento inicial por um modelo menos intensivo em capital.

“O território brasileiro é continental e ainda possui regiões sem acesso à internet de ultravelocidade. Temos a oportunidade de ampliar e democratizar esse acesso, tornando-o não restrito aos grandes centros urbanos ou cidades de médio porte”, explica o CEO da FiBrasil, André Kriger. (Com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Netcracker, subsidiária da NEC, manifesta apoio à Ucrânia na guerra e sai da Rússia
Próximos Europeus chegam a acordo e terão lei digital para domar as big techs