CPqD e Telebras vão criar tecnologia em internet das coisas


Parceria se estende por outras áreas de pesquisa, como segurança de informação e comunicação, computação cognitiva, suporte a operações e negócios, comunicações ópticas e sem fio, inteligência de localização, sensoriamento, redes convergentes, eficiência energética e sistemas de administração pública.

Deputado Jorge Bittar (PT/RJ) defende repactuação contrato de concessão (foto: Felipe Canova)
Jorge Bittar em evento do Tele.Síntese, semanas antes de se tornar presidente da Telebras (foto: Felipe Canova)

O CPqD e a Telebras vão desenvolver, juntas, tecnologias de infraestrutura de telecomunicações – entre as quais, na seara de internet das coisas e banda larga. O acordo foi assinado ontem, 18, durante visita do presidente da Telebras, Jorge Bittar, às instalações do CPqD, em Campinas, no interior paulista. As empresas não divulgaram os valores envolvidos no negócio, nem os prazos para que sejam obtidos os primeiros resultados.

Pelos termos da parceria, as empresas farão em conjunto estudos, projetos, e pesquisas de bens, novas tecnologias, serviços e produtos. Um dos focos do desenvolvimento será facilitar a expansão da infraestrutura de telecomunicação e sua  capacidade nas áreas de atuação da Telebras.

As pesquisas são direcionadas, ainda, a áreas como segurança da informação e comunicação, computação avançada e cognitiva, suporte a operações e negócios, comunicações ópticas e sem fio, inteligência de localização, sensoriamento, redes convergentes, eficiência energética e sistemas de administração pública. O acordo inclui a capacitação e treinamento pelo CPqD de recursos humanos e a prestação de serviços científicos e tecnológicos, entre outras atividades, para a Telebras.

PUBLICIDADE

Bittar fechou, ainda, outros compromissos com o CPqD nesta visita. Entre os quais, a Telebras passa a revender a solução CPqD TEM, voltada para a gestão dos gastos em telecomunicações nas empresas. O presidente da estatal também se comprometeu a apoiar e participar do projeto de Cidades Inteligentes (com a plataforma M2M para cidades inteligentes); realizar trabalhos conjuntos em virtualização de infraestrutura VSAT, para comunicação via satélite, e utilizar a tecnologia LTE/4G na faixa de 450 MHz, desenvolvida no CPqD e transferida para a Trópico.

O CPqD é uma instituição independente com foco em inovação em tecnologias da informação e comunicação (TICs). Possui o maior programa de P&D da América Latina em TICs. Recentemente, passou por mudanças de comando. Dentro do CPqD operam empresas como a Trópico e a Padtec.

Anterior Finep prevê gastar menos dinheiro do Funttel
Próximos Ericsson e Inmarsat fazem parceria para conectar navios