CPQD será integrador do Sistema Nacional de Laboratórios de Fotônica


Chamada pública selecionou 11 laboratórios

O CPQD foi selecionado como Laboratório Integrador do Sistema Nacional de Laboratórios de Fotônica (Sisfóton-MCTI), em chamada pública realizada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI). O Sisfóton-MCTI é uma das principais ações estratégicas e estruturantes da Iniciativa Brasileira de Fotônica (IBFóton), que tem como objetivo promover o avanço científico, tecnológico e empreendedor dessa área no país.

O projeto Sisfóton-MCTI tem duração de 30 meses, com início em julho de 2021 e término previsto para dezembro de 2023.

PUBLICIDADE

O resultado da chamada pública, que foi divulgado no dia 15/7, revelou os nomes dos 11 laboratórios selecionados para integrar o Sisfóton. O CPQD é o integrador, e os outros dez laboratórios gerais escolhidos são das instituições SENAI – Joinville, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Universidade Federal de Pernambuco, EMBRAPA – São Carlos, Universidade Federal de Goiás, Universidade Federal do Espírito Santo, Unicamp, UNESP – Araraquara, USP – São Carlos e IPEN – Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares.

“Como integrador, nosso papel será promover a interação entre esses dez laboratórios, difundindo os modelos de negócio e operação, as boas práticas, e estimulando o compartilhamento de experiências”, afirma João Batista Rosolem, coordenador desse projeto no CPQD.

“Além disso, o laboratório integrador também tem a atribuição de  aproximar os ambientes de pesquisa, negócios e investimentos; fazendo a conexão com empresas e startups, e identificando eventuais oportunidades de projetos para os laboratórios que compõem o Sisfóton”, acrescenta.

Encontros periódicos

Para cumprir esse papel de integrador, o CPQD propõe a execução de uma série de atividades, como a realização de encontros periódicos para a identificação de demandas específicas de cada laboratório, a promoção de ações de interação entre os laboratórios gerais e empresas/startups, a captação de recursos e a divulgação de resultados, entre outras.

Rosolem enfatiza que os laboratórios de Sensoriamento e Monitoração Óptica (LSMO) e de Integração Fotônica (LIF) do CPQD, que serão responsáveis pela integração dos laboratórios do Sisfóton-MCTI, já possuem experiência em empreendedorismo e inovação. Isso se deve ao relacionamento mantido há vários anos com empresas e startups brasileiras para as quais foram transferidas diversas tecnologias de produtos.

“O LSMO, por exemplo, tem desenvolvido projetos de inovação tecnológica de dispositivos de sensoriamento por fibra óptica para aplicações nas áreas de energia elétrica, telecomunicações, gasodutos, refinarias etc”, afirma Rosolem.

“Já o LIF, que suporta a fabricação de componentes com tecnologia de fotônica integrada para dispositivos ópticos, mantém parcerias com diversas empresas, universidades e centros de pesquisa nacionais”, conclui. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Um Telecom vai disputar sozinha a faixa de 26 GHz no leilão do 5G
Próximos Realme inicia vendas de celular de entrada no país