CPI dos Crimes Cibernéticos: relator vai retirar PL que autorizava censura


Security CCTV camera in office building segurança vigiar observarA Comissão Parlamentar de Inquérito dos Crimes Cibernéticos, da Câmara dos Deputados, será prorrogada e deve funcionar até 29 de abril. Com isso, ficou adiada a votação do relatório final para a próxima terça-feira, 12. O documento gerou polêmica por trazer sugestão de oito projetos de lei que alteram o Marco Civil da Internet e que abririam a oportunidade para a censura a cerceamento de direitos online, segundo críticos.

O relator Esperidião Amin (PP-SC) afirmou que um dos projetos sugeridos, que obrigava provedores de acesso à internet a retirar do ar conteúdos ofensivos à honra em até 48 horas após serem notificados pelos ofendidos, será removido do relatório da CPI.

A mudança, e adiamento, acontece após pressão do Conselho de Comunicação Social do Senado, do CGI.br, e de manifestação de entidades do audiovisual defendendo a redação. A CPI também recebeu documento assinado por 48 entidades nacionais e internacionais, como Intervozes (Coletivo Brasil de Comunicação Social) e Proteste (Associação de Consumidores) contestando o projeto de lei que será retirado.

PUBLICIDADE

Os deputados aceitaram os ofícios e pediram prorrogação da CPI, o que ainda deve ser aprovado pelo plenário da Câmara. Segundo a deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO), o adiamento também foi motivado pela pauta da Casa, que debate até a próxima semana o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Mariana afirma, porém, que já há acordo para o adiamento.

Outras mudanças
Amin disse que vai mudar, também a proposta de PL que amplia a abrangência do crime de invasão de dispositivo informático (computadores, tablets, celulares e similares), já previsto no Código Penal (Decreto-Lei 2848/40). O texto inicial criminalizava invasões em que não houve dano comprovado.

A nova versão do relatório, que deverá ser apresentada até amanhã, 08, vai restringir o alcance para “aqueles casos em que o acesso indevido expõe os dados informatizados ao risco de divulgação ou de utilização indevida”. A ideia, segundo o relator, é não criminalizar os “hackers do bem”.

Amin falou que pode realizar novas mudanças. Mas, conforme sua apresentação hoje, não pretende alterar a proposta que permite a autoridades requisitarem o IP dos usuários sem necessidade de ordem judicial, para investigações criminais em andamento. Também quer manter, sem modificação, o texto que prevê destinação de 10% do Fistel ao financiamento do combate ao crime cibernético. (Com agência câmara)

Anterior Parlamento reage mal ao fim da concessão de telefonia por decreto
Próximos Texto do PL 7406 dá carta branca para Executivo acabar com concessão