Copel vai fornecer links diferenciados para provedor de internet da Rede399


Foz do Iguaçu – O secretário de Assuntos Estratégicos do estado do Paraná, Marcírio Sobrinho, participou hoje do evento promovido pela Furukawa com o objetivo de esclarecer o programa Rede399 do governo, que foi recebido pelos provedores de internet do estado com algumas resistências, por temerem a competição acirrada da Copel, a operadora de energia que tem backbone de fibra óptica em todo o estado mas que também oferece o serviço de banda larga ao usuário final em diversas cidades. “Como competir com a Copel, quando compramos 1 Mega a R$ 146 e a empresa vende para o usuário final 100 mega por pouco mais de R$ 300”? indagou um provedor logo após a apresentação do projeto à plateia.

Mas Sobrinho assinala que o programa Rede399 é uma parceria público-privada (PPB), onde o governo do estado está concedendo incentivo de 95% no ICMS (com o diferimento do imposto) para qualquer empresa -grande ou pequena – construir infraestrutura de fibra óptica nos 399 municípios do estado, com a compra de equipamentos também fabricados no Paraná. Para minimizar as resistências dos provedores, ele anunciou, no evento, que a sua secretaria fechou acordo na semana passada com a Copel, para oferecer pacotes de links a  preços diferenciados para os provedores de internet que se cadastrarem no programa.

Segundo Jeferson da Costa, gerente de projetos da Celepar, qualquer empresa pode se cadastrar para obter o incentivo fiscal e puxar a sua rede de fibra. Para ampliar o mercado deste provedor, o governo do Paraná está estimulando  as prefeituras  a contratarem  provedores privados para interligar todas as instalações públicas municipais. Segundo Costa, cinco prefeituras deverão lançar as licitações ainda este ano. A expectativa  é de,  em dois anos, 120 municípios e pelo menos 100 provedores de internet estejam participando do programa.

PUBLICIDADE

A jornalista viaja a convite da Furukawa

Anterior Positivo tenta guinada para os smartphones
Próximos Facebook obtém aval da Comissão Europeia para comprar o WhatsApp