Consumidor não quer mais a voz, diz Navarro


Presidente da Telefônica Vivo defende mudança urgente do marco de telecomunicações para garantir investimentos no serviço de maior demanda atualmente: a banda larga. Executivo recebeu ontem prêmio de Homem das Comunicações do Ano da Aberimest.

2017-08-29-Eduardo-Navarro-telefonica-aberimest-reinando-santos-foto-carlos-rocca
Reinaldo dos Santos, presidente Nacional da Aberimest (esq.) entrega o título de Homem das Comunicações do Ano de 2017 a Eduardo Navarro, presidente da Telefônica Vivo

Para o presidente da Telefônica Brasil, Eduardo Navarro, o consumidor não quer mais usar a voz no telefone. Por isso mesmo, é importante modificar o marco regulatório do setor, e com urgência.

“O conceito de telefone, aparelho que manda a voz a longas distância conforme, está desaparecendo. Hoje as pessoas querem internet. Para que o Brasil não perca o bonde da revolução digital nos próximos 20 anos é imperioso adaptar nosso marco regulatório”, disse na noite de ontem, 28.

Navarro discursou durante a cerimônia de entrega do prêmio Homem das Comunicações do Ano, de 2017. O executivo recebeu o prêmio da Associação Brasileira das Empresas de Engenharia e Profissionais das Telecomunicações e Infraestrutura/TI (Aberimest).

PUBLICIDADE

O presidente da Vivo passa a dividir o título com outros engenheiros do setor, que no passado foram agraciados. No rol dos escolhidos passados pela Aberimest estão Rodrigo Abreu (ex-presidente da TIM Brasil) João Batista Rezende (ex-presidente da Anatel), Paulo Bernardo (ex-ministro das comunicações) e Gilberto Kassab (atual ministro da Ciência, Tecnlogia, Inovações e Comunicações).

Investimentos x realidade

A cerimônia também marcou os 35 anos da Aberimest e os 20 anos de chegada da Telefônica ao Brasil. Ao longo das últimas duas décadas, a operadora investiu, segundo Navarro, R$ 180 bilhões no país. Para este ano, prevê aportes de R$ 8 bilhões, e de R$ 24 bilhões até o final de 2019.

Mas Navarro condiciona a continuidade do interesse em investir no país à mudança da legislação. “Quem tem hoje uma ficha de orelhão no bolso? Há em São Paulo 200 mil orelhões, quase 1 milhão no Brasil. Esse dinheiro poderia ser revertido a serviços mais importantes para consumidor de hoje”, reforçou.

Premiação

Além de Navarro, a Aberimest premiou empresas pela atuação no setor de telecomunicações. As melhores empresas do setor em 2017 foram:

Decavox Tecnologia – Melhor desenvolvedora de sistema de cobrança e plataformas digitais

Furukawa Electric – melhor empresa de fabricação de cabos

Radiante Engenharia de Telecomunicações – melhores prestadora de serviços

Skylane Optics – melhor fornecedora tecnológica

Telematica Sistemas Inteligentes – melhor fornecedoras de sistemas eletrônicos de segurança

Anterior Índia cobra US$ 1,2 bi de impostos atrasados da Hutchison
Próximos CGI vai leiloar registros de internet mais procurados