Consulta pública sobre política de IoT está aberta


shutterstock_ iQoncept_geral_icone_callcenter

O MCTIC lançou para consulta da sociedade um longo questionário sobre medidas que podem ser implementadas em uma política pública para Internet das Coisas (IoT). A consulta deverá ser encerrada no início de janeiro, e pode ser encontrada no site participa.br  

Os temas abordados no documento são: pesquisa e desenvolvimento; recursos humanos; oferta tecnológica e composição de ecossistemas; investimento, financiamento e fomento; demanda; aspirações; gerenciamento de infraestrutura; suporte a aplicação e serviços; redes e transporte de dados; gateways e dispositivos; segurança e privacidade; papel do Estado; assuntos regulatórios.

PUBLICIDADE

São formuladas perguntas do tipo: “O eventual roaming internacional permanente (p.ex., chips de dispositivos operando no Brasil mas conectados permanentemente à operadoras de outros países) deveria passar a ser permitido?”

“A permissão de utilização comercial das faixas de radiofrequência dos “espaços brancos” (White spaces) seria uma alternativa para a comunicação entre dispositivos M2M/IoT?”

“Quais são as principais áreas de aplicações de IoT que podem melhorar os serviços públicos ou a gestão pública nas diferentes esferas?”

“Existem questões sobre como o Estado assegura a preservação dos direitos de propriedade intelectual (patentes e registros de software) que desfavorece o desenvolvimento da IoT, no Brasil?

“Os sistemas operacionais embarcados de código livre e demais bibliotecas já se encontram em maturidade suficiente para atenderem os casos de uso de IoT ou ainda há gaps? Considere na sua resposta questões como suporte a novos protocolos de rede e mecanismos de segurança, assim como sua aderência à estratégia de uso/adoção”

“Em que pese as tecnologias de acesso que podem ser adotadas na implantação de um ecossistema de IoT, em sua opinião, quais se mostram mais interessantes ou à prova de futuro e por quê?”

“Quais barreiras na esfera privada existentes atualmente nas diferentes áreas de aplicação de IoT que poderiam ser superadas com seu uso?”

“Em quais aplicações o Brasil pode ser competitivo em semicondutores?”

“O atual arranjo entre governo, universidade e empresas é adequado para a capacitação e formação de mão de obra aplicável à IoT?”

“Quais as instituições de pesquisa nacionais que possuem estudos relacionados ao ecossistema de Internet das Coisas de forma relevante?”

Anterior ONGs de todo o mundo temem regressão de direitos digitais no Brasil
Próximos Proteste não quer Anatel regulando franquia de dados