Conselho de Administração da Brasscom assume novo mandato de dois anos


Nesta quinta, 16, o Conselho de Administração da Brasscom assume novo mandato para o comando da entidade pelos próximos dois anos. A composição do colegiado permanecerá a mesma do Biênio 2020-2022 – liderado por Laércio Cosentino na presidência. A escolha ocorreu em Assembleia Geral realizada no último dia 7.

PUBLICIDADE

Fundador e presidente do Conselho da TOTVS, uma das maiores empresas brasileiras de desenvolvimento de softwares, Laércio reforçou, na oportunidade, a importância da união do setor para o avanço das pautas defendidas.

“Continuaremos com esse trabalho coletivo, promovendo, através da Brasscom, a defesa dos nossos objetivos estratégicos e temas relevantes, a fim de contribuir para o desenvolvimento econômico e social do Brasil e do setor”, disse. Vida e Cidadania na Era Digital; Tributação, Emprego e Competitividade; e Formação de Talentos em Tecnologia permanecem como pilares centrais quanto à atuação da entidade.

Composição

O Conselho de Administração da Brasscom é composto por 13 membros indicados pelas respectivas empresas. A candidatura, no entanto, é restrita às Associadas Fundadoras e Plenas, através de representantes que ocupem o cargo de presidente ou responsável pela operação e negócios da empresa no Brasil.

O quadro de vice-presidentes será formado por Benjamin Quadros, da BRQ; Maurício Cataneo, da Unisys; José Formoso, da Embratel; e Luiz Mattar, da Tivit, reconduzidos a mais dois anos de mandato. O mesmo ocorre com os demais membros do Conselho: Tânia Cosentino, Microsoft, Cleber Pereira de Morais, Amazon; Marcelo Braga, IBM; Leonardo Framil, Accenture; Maurizio Mondani, Capgemini; Ricardo Scheffer, Sonda; e Sun Baocheng, Huawei.

“Mesmo que tenhamos enfrentado a pandemia, conseguimos evoluir bastante nos últimos anos”, pontuou o presidente da Embratel, José Formoso, durante a assembleia de eleição. (Com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Ministro Villa Bôas defende autonomia da ANPD e avanços na lei de proteção de dados
Próximos Coalizão Direitos na Rede quer publicidade sobre o valor das concessões