Com interatividade, TV Digital deve ganhar apelo em celulares, defende governo


Para dar uma força para a ampliação da base de smartphones produzidos com o sistema de recepção do SBTVD embarcado, porém, o governo deve dar um empurrãozinho com a alteração das regras do Processo Produtivo Basico (PPB), que garantem isenção fiscal à produção de eletrônicos no país.

A resistência das operadoras de telecom em relação aos smartphones adaptados para receberem o sinal da TV Digital aberta brasileira deve diminuir à medida que o mercado de radiodifusão começar a trabalhar com interatividade. Pelo menos essa é a opinião de Alexandre Cabral, diretor de indústria de base tecnológica do Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio (MDIC). Isso porque, em sua visão, com a interatividade, a TV Digital deixa de ser simplesmente um produto concorrente, para também se tornar um gerador de uso de dados.

“Esse movimento vai acontecer por conta da nova realidade de negócios com a TV Digital. Como os dispositivos já contam com um pacotes de dados associado, a tendência é que seja usado como canal de retorno nativo”, afirma Cabral. Dessa forma, a lógica de que a TV Digital no celular concorre com o OTT deve perder espaço, assinala.

PUBLICIDADE

Para dar uma força para a ampliação da base de smartphones produzidos com o sistema de recepção do SBTVD embarcado, porém, o governo deve dar um empurrãozinho com a alteração das regras do Processo Produtivo Basico (PPB), que garantem isenção fiscal à produção de eletrônicos no país. “Estamos abrindo debate [com os fabricantes] de sinalizar a ampliação da base de dispositivos adaptados a essa realidade e o PPB é um instrumento poderoso”, avalia Cabral.

Mas, para ele, a diversificação de serviços de interatividade, puxada pelo próprio governo também pode ajudar a  reorganizar o mercado. “O governo tem um movimento consistente e significativo: como o programa Brasil 4D, que usa a TV como mídia para a inclusão social. Dentro da ideia de e-gov, a empresa EBC vem desenvolvendo um projeto consistente”.

PUBLICIDADE
Anterior Transações bancária por celular crescem, em média, 270% ao ano, diz Febraban
Próximos Procon-SP questiona operadoras sobre serviço 4G