Com 5G, Vivo se afirma como hub de digitalização e prevê novas parcerias


O 5G terá maior aplicação para indústria do que para pessoa física e, por esta razão, a Vivo está trabalhando para se tornar um hub de digitalização, com soluções para diversas verticais. É o que afirma o Vice-presidente de B2B da operadora, Alex Salgado. Ele afirma, que além da joint-venture voltada para a telemedicina, anunciado recentemente, a empresa vai apresentar novas parcerias, sendo uma delas na área da educação. 

“Nós estamos fazendo use cases, testes, pilotos com grandes corporações, bancos, varejistas para o desenvolvimento de soluções para o 5G”, disse Salgado. Algumas dessas aplicações serão implementadas com o 4G e depois terão evolução incremental com a nova tecnologia. 

Por essa razão, acredita que redes não standalone funcionarão conjuntamente com standalone, até porque não existe device só para redes não legadas. Além disso, defende que redes privativas em 4G têm latência menor e velocidades maiores. “A gente já está trazendo os benefícios para a indústria 4.0”, disse. 

Salgado disse que a Vivo vem investindo em várias startups visando a criação de ecossistemas de IoT. O entendimento é de que as grandes indústrias que consomem esses serviços no final vão querer a garantia e a segurança de ter uma grande corporação por trás, onde vão colocar seus projetos mais vitais numa tecnologia totalmente virtualizada.  

Outro mercado que a Vivo ver possibilidade de crescimento com o 5G é o de MVNO e disse que a operadora está pronta para novas parcerias. Salgado disse que novas operadoras virtuais serão lançadas nos próximos meses por empresas que têm nichos bastante definidos, usando a rede da operadora. 

“Nosso setor é extremamente importante e relevante na transformação digital da economia e tem uma responsabilidade enorme”, disse Salgado. Ele participou nesse segunda-feira, 24, de evento patrocinado pelo Teletime sobre 5G. 

PUBLICIDADE
Anterior Para Claro, rede DSS é 5G e terá grande adesão até o final do ano
Próximos Algar defende obrigação em 5G standalone