Claro lança ultra banda larga de 1 Gbps


A Claro anunciou nesta quarta, 20, o início das vendas de planos de banda larga fixa de 1 Gbps em mais de 300 cidades, em todas as regiões do país “nos endereços atendidos pela rede da operadora e habilitados tecnicamente para a nova velocidade”.

Segundo o CMO da companhia, Márcio Carvalho, na prática, quase a totalidade da rede da empresa pode entregar a velocidade – exceto em poucas praças de menor porte.

A conexão de altíssima velocidade é entrega tanto por cabo HFC (cabo coaxial híbrido) quanto por fibra (FTTH). No caso dos assinantes que recebem o serviço por HFC, o upload é de 35 Mbps. No caso dos assinantes por fibra, o upload é de 250 Mbps.

Até o final de 2021 estão previstas 50 novas cidades com Claro Fibra, dentro do plano de constante ampliação da cobertura de rede da operadora.

Os sistemas HFC da operadora foram atualizados para o DOCSIS 3.1 nos últimos dois anos, o que garante maior velocidade no cabo híbrido, explicou o executivo ao Tele.Síntese. Segundo ele, a velocidade de upload é suficiente para o uso atual das famílias, inclusive com utilização de múltiplas aplicações de videoconferência e educação a distância. De qualquer forma, ele garante que a comunicação de 35 Mbps para o upload é a velocidade mínima, podendo esta chegar a 100 Mbps.

Clientes e novos assinantes

Quem já é cliente poderá pedir o upgrade do plano assinado. Na maioria dos casos, explica Carvalho, não é preciso fazer a troca do modem na residência do cliente. Mas quem tiver equipamento mais antigo, receberá um novo.

O plano de 1 Gbps poderá ser assinado a partir de hoje, 20, por usuários residenciais e PMEs clientes do Claro Empresas. A assinatura residencial custa R$ 400 ao mês.

Há a opção de o cliente adquirir juntamente um kit WiFi Mesh para irradiar sinal WiFi em toda a casa, com dois repetidores, a R$ 780. Estes kits são ZTE ou TP-Link, embora a Claro já tenha em seu marketplace o roteador Mesh lançado pelo Google no país na última semana. Quem contratar pode solicitar a conexão com cabo Ethernet de quantos equipamentos quiser dentro da residência.

Conforme Carvalho, a oferta é bastante competitiva e tem preço menor que outros rivais no mercado. Segundo ele, o lançamento não tem por objetivo fazer frente ao avanço de provedores regionais com serviço de mesma velocidade. A intenção é disputar com grandes concorrentes. A Oi, por exemplo, cobra R$ 500 pelo acesso de 1 Gbps em fibra. A Vivo, por enquanto, vende 1 Gbps apenas para empresas, por R$ 1 mil.

PUBLICIDADE
Anterior Relatório da CPI da Pandemia propõe mudanças no Marco Civil da Internet
Próximos Serviço de assinatura de jogos da Ubisoft chega ao Brasil