Claro lança serviço dedicado a gamers


Marcio de Carvalho (esq.), diretor de marketing da Claro, ao lado de Thiago Leifert (Globo) durante lançamento de serviço de conectividade para jogos eletrônicos

A Claro lançou hoje, 14, a Claro Gaming, plataforma de conectividade para jogos eletrônicos. O serviço reduz a latência de jogos online, tem equipe de atendimento técnico especializada e traz promoções para clientes interessados no universo gamer, como pré-venda de ingressos para eventos realizados no Brasil.

Todos os clientes da banda larga fixa da operadora poderão assinar. O serviço custa R$ 40 ao mês e é cobrado como serviço de valor adicionado na fatura. Segundo Márcio Carvalho, a expectativa é que o produto atraia parte dos assinantes com planos mais rápidos de banda larga, acima de 100 Mbps. Mas ele garante que está disponível para todos os clientes de banda larga fixa da operadora, que passam de 9 milhões.

Para quem for assinante de combos móveis da Claro, ou seja, tiver também celular pós-pago da tele além da banda larga fixa, há liberação de acesso às plataformas de streaming Facebook Gaming, Youtube, Twitch, entre outras, com limite de franquia adicional, somente para vídeos.

PUBLICIDADE

O investimento da operadora se justifica pelo tamanho do mercado. Segundo Léo de Biase, fundador da BBL, empresa responsável por eventos e promoções de jogos eletrônicos no país, diz que o mercado do videogame brasileiro movimentou R$ 1,5 bilhão em 2018, após alta de 13% em relação a 2017. Ele diz, ainda, que o Brasil é o terceiro país em número de espectadores de campeonatos de videogames, com 18,3 milhões. Atrás apenas de Estados Unidos e China.

Infraestrutura

A Claro levou 14 meses desenvolvendo o projeto. Para reduzir a latência nos jogos eletrônicos, recorreu à parceira Noping, empresa nacional que instalou elementos na rede para direcionar o tráfego de games dos usuários por as rotas mais curtas ao servidor do game.

Além disso, a tele estabeleceu acesso direto de 20 TBps aos servidores brasileiros das plataformas de streaming de vídeos de games (como o Facebook Gaming, Twitch e Youtube) e recorre a CDNs para acelerar a entrega dos vídeos que não sejam ao vivo.

Carvalho diz que as melhorias aconteceram na rede cabeada HFC, que usa tecnologia Docsis 3.1, e também nas 51 cidades onde a tele já vende FTTH. A operadora também usa cinco data centers distribuídos da sua rede de edge computing para melhorar o desempenho do serviço, satélites (a empresa é dona de nove) e cabos submarinos (já tinha contratado ou construídos 18 mil km de cabos submarinos).

WiFi e cabeamento

A operadora também aposta nos gamers para vender o produto WiFi Plus 360º e Ponto Ultra. O primeiro serviço cria uma rede Mesh para espalhar o sinal de WiFi por toda a residência do usuário, cobrindo pontos de sombra. O segundo, Ponto Ultra, é um serviço de cabeamento, em que o técnico da empresa passa o cabo ethernet pela residência até o console ou computador que terá conexão a internet. Ambos têm cobrança adicional na conta.

Anterior PL visa corrigir normas do setor de TICs condenadas pela OMC
Próximos Telefônica investe R$ 7 bilhões em FTTH no triênio 18/20