Claro e Ericsson farão testes da 5G no Brasil no próximo ano


A presidente Dilma Rousseff  e Hans Vestberg, CEO da Ericsson, durante encontro na Suécia
A presidente Dilma Rousseff e Hans Vestberg, CEO da Ericsson, durante encontro na Suécia

Junto com a visita da presidente Dilma Rousseff à sede da empresa na Suécia hoje, 19, a Ericsson  acaba de anunciar que irá apoiar ainda mais o Brasil na realização de sua agenda digital. Hans Vestberg, presidente e CEO da Ericsson, diz: “As TICs podem apoiar a transformação em praticamente todos os setores da sociedade, bem como em todas as indústrias. Estou convencido de que a próxima geração de banda larga móvel e a Internet das Coisas, possibilitadas pelo 5G, vão acelerar ainda mais as oportunidades de avanço em áreas como saúde, educação, serviços de energia e agricultura, e em novas aplicações na indústria.”

Como parte da agenda digital do Brasil, a Ericsson, juntamente com a América Móvil, realizará o primeiro teste de 5G no Brasil durante o ano de 2016. Esse projeto é onde a inovação encontra aplicação da nova rede, permitindo que operadoras de telecom e seus parceiros do ecossistema, como instituições acadêmicas, agentes de saúde, energia e agricultura testem as funcionalidades da conexão em uma rede ao vivo.

PUBLICIDADE

Além disso, a Ericsson e a América Móvil também irão implementar um sistema de testes para Internet das Coisas (IoT), possibilitando que as indústrias brasileiras e o setor público se preparem para a transformação das TICs. Já, essa iniciativa vai focar, especificamente, em aplicações de baixo consumo de bateria, como sensores de baixa potência para áreas remotas.

Vestberg diz: “Para o 5G, nosso foco é entender como os sistemas serão usados tanto pela sociedade quanto pela indústria. Para estar com redes comerciais prontas em 2020, a Ericsson fechou uma parceria com a América Móvil para o primeiro sistema de testes de 5G no Brasil, como uma demonstração clara da nossa vantagem competitiva, e, ao mesmo tempo, uma forma de levar a pesquisa para fora dos laboratórios e para redes de teste ao vivo.”

“Fazemos parte do desenvolvimento do Brasil desde 1924, e fico orgulhoso por continuarmos a trazer a tecnologia líder da indústria para apoiar o desenvolvimento do país”, finaliza o executivo.

Além da pesquisa de 5G com a Universidade Federal do Ceará (UFC), anunciada anteriormente, a Ericsson também anuncia hoje programas adicionais com a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), a serem realizados em 2017:

  • Cyber-Physical Systems com USP e UNICAMP: redes que se comunicam sem intervenção humana; sistemas de comunicação autônomos com base em sensores. Eles poderiam, por exemplo, fornecer a base para sistemas rodoviários que se comunicam com autoridades rodoviárias em casos de emergência, sistemas de clima, que monitoram as condições da estrada, e carros autônomos.
  • MiMo (multiple-input multiple-output) com UFC: sistemas de 5G com design transceptor com várias antenas em estações rádio base e terminais de usuários (MiMo). O objetivo é aumentar significativamente a capacidade dos sistemas de comunicação móvel atuais.
  • D2D (Intelligent radio resource allocation) com UFCcontrole e provisão da qualidade de serviço em sistemas 5G. Usando algoritmos e técnicas de alocação de recursos de rádio, a ideia é possibilitar taxas de bits mais elevadas e maior satisfação do usuário para sistemas de comunicação 5G móveis.
PUBLICIDADE
Anterior TIM ingressa no REPNBL com investimentos de mais de R$ 950 milhões
Próximos Morgan Stanley passa a ter 6,7% das ações PN da Oi