Claro amplia produção de energia limpa no Distrito Federal


Como uma nova etapa de seu programa para o fomento do uso de energia sustentável, a Claro acaba de energizar mais uma usina solar no Distrito Federal. Responsável pela execução do projeto, a EDP, multinacional do setor elétrico, será também a operadora da usina de geração distribuída.

O empreendimento vai abastecer 110 unidades da Claro e evitar a emissão de 490 toneladas de gás carbônico, o que corresponde ao plantio de 2.721 árvores.

A usina, instalada em uma área de aproximadamente 6 hectares, possui 11.880 módulos fotovoltaicos com potências de 325Wp e 330Wp, além de 25 inversores, capazes de gerar 6.540 MWh/ano. Esta energia é equivalente ao consumo de 2.725 residências com uso médio anual de 2.400kWh.

A planta integra o programa “A Energia da Claro”, lançado em 2017, que prioriza o uso de fontes renováveis e ações de proteção ao meio ambiente em todas as operações e instalações da empresa no Brasil. A iniciativa conta com usinas solares em vários estados, como Bahia, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Pará, Pernambuco, Piauí, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e São Paulo, além de projetos em construção nas demais unidades federativas.

Este é o segundo projeto da EDP para a operadora no segmento de energia solar. Em junho de 2020, a empresa entregou para a Claro quatro usinas solares de geração distribuída. Os empreendimentos, localizados em uma área de 5,8 hectares no município de Taubaté (SP), têm capacidade instalada de mais de 4 megawatts-pico (MWp) e garantem o fornecimento de energia renovável a 516 unidades consumidoras da Claro no estado de São Paulo.

“O ‘Energia da Claro’ é considerado atualmente o maior programa de geração distribuída do País e a parceria estabelecida com a EDP reforça o compromisso da empresa com a inovação e com a sustentabilidade. O investimento constante para inauguração de novas usinas e diversificação das matrizes energéticas, dentro de um programa próprio de energia renovável, prova a importância com que o tema é tratado pela companhia”, afirma Hamilton Ricardo Pereira da Silva, diretor de Infraestrutura da Claro.

“A EDP tem como missão liderar a transição energética, daí a importância dos investimentos em geração solar – seja em geração distribuída ou centralizada (utility scale) – em nossa estratégia. Após a entrega de um primeiro projeto, a Claro reforçou sua parceria com a EDP e nos confiou esta segunda planta no Distrito Federal – um projeto que reúne duas importantes premissas da EDP Smart – proporcionar benefícios ao meio ambiente e agregar valor aos nossos clientes”, afirma João Marques da Cruz, CEO da EDP no Brasil.

Energia solar no Brasil

De acordo com a Absolar, em 2021, o Brasil ultrapassou a marca de 8 gigawatts (GW) de potência instalada na fonte solar fotovoltaica, sendo 4,9 GW em geração centralizada e pouco mais de 3,1 GW na geração distribuída. Desde 2012, já foram investidos mais de R﹩ 35,4 bilhões no setor, que gerou 210 mil empregos e arrecadação de R﹩ 10,4 bilhões em tributos. A utilização da fonte energética evitou a emissão de mais de 1,1 milhão de toneladas de CO2 na atmosfera.

Atenta a isso, a EDP possui uma unidade dedicada à implementação de empreendimentos solares de autoprodução e geração distribuída, sendo a responsável pela construção, operação e manutenção dos sistemas. A Companhia encerrou 2020 com 65,3 MWp de energia solar em seu portfólio – 34,5 MWp em projetos já entregues a clientes como Banco do Brasil, TIM, Claro, e Johnson & Johnson, e 30,8 MWp em projetos em desenvolvimento. Em fevereiro a EDP adquiriu a AES Inova, plataforma de investimento em geração distribuída da AES Brasil, que adiciona quase 34 MWp ao portfólio da EDP Smart por meio de ativos localizados no Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas Gerais e projetos ready to build.

No fim de 2020 a Companhia assinou um acordo de investimento na Blue Sol, com o objetivo de adquirir participação de até 40% na empresa, que opera no segmento de geração solar fotovoltaica B2C, com um modelo que inclui soluções completas desde a concepção do projeto, fornecimento de equipamentos, instalação e trâmites documentais para viabilizar a conexão com a concessionária de energia local. A Blue Sol conta com uma rede de 34 franquias distribuídas por 16 estados. Com a concretização do negócio, a EDP busca obter maior capilaridade de vendas no segmento de energia solar B2C. (Com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Governo quer apressar votação de PL que altera a Lei das Antenas
Próximos Conectar Agro deve crescer e impulsionar mais conectividade