CFO da Oi diz que há interesse em migrar a concessão e vê solução este ano


O comando da Oi tem como tema prioritário de sua lista de tarefas viabilizar a concessão. Para isso, Rodrigo Abreu, o CEO, trabalha com o time de regulatório junto à Anatel. A expectativa na empresa é que a agência defina este ano ainda as regras que vão orientar a migração da outorga das concessionárias, o que inclui a forma como os bens reversíveis serão valorados.

“O que vai acontecer com a concessão é o assunto regulatório hoje mais importante para a companhia. A concessão é uma fonte de consumo de caixa. É objetivo da companhia fazer a migração. Mas a companhia quer fazer em termos que não destrua valor para seus acionistas. A missão é demonstrar para o regulador o que consideramos termos justos para todos: o regulador, a companhia, a sociedade. Acreditamos que terá uma solução para isso ainda em 2021”, afirmou Camille Faria, a CFO do grupo, durante live realizada pela corretora Genial Investimentos.

PUBLICIDADE

A Oi e a Telefônica tentaram nos últimos anos convencer os reguladores de que teriam direito a compensações pela retração da demanda por serviços de telefonia fixa. Mas as decisões da Anatel desconsideraram tais argumentos, ressaltando que não existe compromisso de a União garantir a sustentabilidade da concessão.

A agência, contudo, vem estudando formas de tornar a migração da outorga de exploração do STFC em regime público para regime privado atraente para as atuais concessionárias. As empresa afirmam que isso só acontecerá se o serviço for sustentável, o que leva em conta, entre outros aspectos, o preço estimado que terão de pagar para migrar a licença, que será baseado no valor dos bens reversíveis, e as obrigações que terão após a migração.

Desembolso para a Anatel, só em 2023 

Faria também comentou o acordo fechado em novembro pela Oi com a Anatel, para reduzir as dívidas existentes com o regulador.

Pelos termos acordados, explicou, a Oi vai usar dinheiro que tem em depósitos judiciais para arcar com as parcelas dos compromissos junto à Anatel até 2023. A partir de então, prevê a CFO, a empresa terá de realizar desembolsos para continuar o pagamento.

A tele fechou acordo com a agência no final de novembro para reduzir o montante a ser pago, de R$ 14 bilhões, pela metade, com pagamento de parcelas ao longo de 10 anos.

“Apesar de termos firmado esse acordo agora com a Anatel, só temos desembolso com a agência no fim de 2023 porque vamos usar os depósitos judiciais que estavam feitos em favor do regulador para amortizar as primeiras parcelas”, resumiu Faria na live.

Anterior Samsung revela os novos modelos da linha Galaxy com conectividade 5G
Próximos Comando da Oi descarta risco de suspensão do leilão da unidade móvel