Celulares sobre Linux, uma realidade.


{mosimage}Não é ficção científica porque o trabalho conjunto da NEC, Panasonic, NTT DoCoMo e MontaVista Linux produziu e colocou em operação um terminal que funciona na rede 3G da NTT e como telefone VoIP móvel, através de uma rede wireless Wi-Fi, usando o protocolo SIP.

NEC e Panasonic, em conjunto com a maior operadora de telefonia celular do Japão, a NTT DoCoMo, estão comercializando os primeiros telefones celulares baseados em Linux, no Japão. A base tecnológica dos novos terminais será uma plataforma Linux desenvolvida em conjunto, que deverá ser utilizada em outros modelos daqui para frente. Essa base comum será desenvolvida a partir da distribuição Linux embarcada da MontaVista Software, o MontaVista Linux.

As empresas dizem que utilização de Linux como sistema operacional de aparelhos de telefonia celular permite uma rápida introdução, a baixo custo, de handhelds com tecnologia e aplicativos multimídia de ponta no mercado, que tornam possível realizar ligações com imagem (como nos videofones da ficção científica).

O N900iL é um celular que opera em duas redes diferentes, com suporte a W-CDMA e 802.11b Wi-Fi, especialmente voltado para usuários corporativos. O aparelho é capaz de utilizar a rede de telefonia celular de terceira geração  (3G) da NTT DoCoMo, a Freedom Of Mobile-multimedia Access (FOMA), e também funcionar como telefone VoIP móvel, via rede sem fio Wi-Fi, usando o protocolo SIP (Session Initiation Protocol).

Uma tecnologia chamada Passage Duple possibilita a troca de protocolo em tempo real, ou seja, uma ligação que esteja sendo feita via rede de telefonia FOMA pode ser transferida automaticamente para VoIP via Wi-Fi, caso o usuário entre em uma área em que haja cobertura Wi-Fi. O celular também tem a capacidade de identificar se um outro usuário, com quem se deseja falar, encontra-se dentro da mesma rede Wi-Fi no momento.

Adicionalmente, o handset permite que o usuário tenha acesso a informações que estejam protegidas por um firewall dentro da rede local da empresa, o que é feito via VPN. Ambos os modelos de terminais vêm equipados com áudio 3D, dispõem de recursos de segurança avançados e têm a habilidade de enviar e receber arquivos grandes (até 500 kb), além de aplicativos multimídia de última geração.


Rafael Peregrino da Silva é diretor de tecnologia da Linux New Media do Brasil e editor-chefe da Linux Magazine.

Anterior Interconexão e portabilidade, condições para a Telmex oferecer triple play.
Próximos Notícias alvissareiras para o setor de serviços por satélite