Celulares já respondem por 83% da utilização de músicas móveis


O crescimento dos celulares dedicados à musica está transformando os hábitos de consumo de música móvel nos Estados Unidos e na Europa Ocidental, aponta pesquisa da M-Metrics. A prática de sideloading, ou seja, de baixar uma música de outro aparelho celular, por meio de um dispositivo bluetooth por exemplo, já responde por 83% do uso …

O crescimento dos celulares dedicados à musica está transformando os hábitos de consumo de música móvel nos Estados Unidos e na Europa Ocidental, aponta pesquisa da M-Metrics. A prática de sideloading, ou seja, de baixar uma música de outro aparelho celular, por meio de um dispositivo bluetooth por exemplo, já responde por 83% do uso de músicas móveis na França, Alemanha, Espanha, Reino Unido e EUA.

O levantamento indica que, excetuando-se a Espanha e os EUA, mais consumidores ouviram músicas que foram compartilhadas do que músicas baixadas diretamente para ceulares, por meio dos serviços de música das operadoras. França e Reino Unido apresentaram as mais altas incidências desta atividade, 12,5% dos usuários que ouviram músicas móveis no mês. A Espanha se encontra na outra ponta, com apenas 7,1% dos usuários de músicas móveis transferindo estes arquivos musicais diretamente entre dispositivos.

PUBLICIDADE

A pesquisa também apurou que 10,7% dos assinantes de telefonia móvel pesquisados em seis diferentes países ouviam música em seus dispositivos móveis, percentual que é de 5,7% nos EUA, e de 20% na Espanha. A penetração de aparelhos celulares dedicados à música aumentou a uma taxa média de 50,7%, entre novembro de 2006 e novembro de 2007, nos seis países pesquisados. Os EUA apresentaram 63,6% de crescimento destes dispositivos no mesmo período, sendo o mercado com o crescimento mais rápido, saindo de 23,2 milhões de assinantes com celulares deste gênero em novembro de 2006, para 63,8 milhões um ano depois. (Da Redação, com noticiário internacional)

PUBLICIDADE
Anterior Sony Ericsson tem lucro de US$ 1,64 bilhão em 2007
Próximos GVT pensa em novas aquisições