Cade rejeita recurso da Algar contra acordo de RAN sharing Claro/Vivo


Conselheira Paula de Azevedo propõe, no entanto, que o Cade faça um estudo aprofundado sobre RAN Sharing, seu impacto na competição no segmento móvel, riscos de coordenação entre os envolvidos e de redução dos investimentos pelas operadoras em função de tais contratos.

A conselheira Paula de Azevedo, do Cade, rejeitou o recurso da Algar Telecom contra o contrato de compartilhamento de 81 estações e espectro móvel firmado entre a Claro e a Telefônica Vivo. O recurso foi protocolado há uma semana e, na última sexta, 11, negado.

PUBLICIDADE

A operação analisada por Azevedo consiste em um contrato de RAN sharing por meio do qual a Telefônica compartilhará sua rede de acesso e espectro de radiofrequência à Claro, sendo paga para tanto. O escopo do acordo é baseado no modelo de arquitetura de rede MultiOperation Core Network (“MOCN”), pelo qual a Vivo disponibilizará seus recursos de rádios 3G, transmitindo um espectro comum ofertado igualmente aos seus usuários e aos usuários da Claro.

Em seu recurso, a Algar afirmava que o acordo trazia riscos à competição e pedia como remédio que prestadores de menor porte pudessem aderir ao acordo em condições isonômicas, e que cada contrato seja avaliado, caso a caso, pelo Cade.

Azevedo argumenta, em sua recusa, que o contrato entre Claro e Vivo não traz nenhuma cláusula de exclusividade e que, portanto, terceiros podem firmar acordos semelhantes com as empresas.

A Algar também afirmava que o compartilhamento facilitaria a troca de informações e atuação coordenada entre as rivais maiores. Para a conselheira, no entanto, o contrato traz “condições de manutenção da independência operacional de cada parte, de modo a não alterar as estratégias comerciais da Claro e da Telefônica na prestação de SMP”.

A Algar também afirmou que a regulação setorial, a cargo da Anatel, seria insuficiente para evitar a concentração do mercado. Para Azevedo, do Cade, mesmo que essa análise da operadora mineira esteja perfeita, a amplitude do acordo entre Claro e Vivo é muito pequena para representar riscos de fechamento e coordenação do mercado.

“Não se trata, portanto, de apenas reconhecer que é uma situação pré-existente à operação, mas de observar que tal situação não é intensificada por este contrato, que se dá em condições bastante específicas e circunscritas, não possuindo o condão de prejudicar a concorrência”, argumenta.

Mais estudos

A conselheira, no entanto, considera “pertinente” a preocupação da Algar quanto ao crescimento no futuro da quantidade de acordos de compartilhamento de infraestrutura. A seu ver, tais acordos, ser muito ostensivos, podem ser um desincentivo ao investimento em redes próprias por parte das teles.

A seu ver, o Cade deve estudar este cenário mais a fundo. A autarquia deve, diz, “acompanhar (i) a evolução da estrutura dos mercados afetados, (ii) a existência de eventual coordenação de estratégias comerciais entre as partes do compartilhamento e (iii) potencial incremento no exercício de poder coordenado; (iv) o padrão de compartilhamento com terceiros interessados na infraestrutura e (v) eventual existência de condutas anticompetitivas unilaterais, relacionadas à recusa de compartilhar ou à discriminação de rivais; bem como a análise sobre (vi) as eficiências alcançadas, (vii) o nível de rivalidade e (viii) o nível de bem-estar do consumidor nas localidades onde ocorrem os contratos”.

Por fim, depois de rejeitar o recurso da Algar Telecom, Paula Azevedo propõe ao colegiado que o Departamento de Estudos Econômicos (DEE) do Cade, um grupo de trabalho específico, faça um estudo setorial para acompanhamento dos contratos de RAN Sharing e identificação de seus impactos concorrenciais no setor de telecomunicações.

Anterior Escassez de chips ameaça cronograma de retirada de equipamentos chineses das redes de ISPs dos EUA
Próximos MOB Telecom fechará primeiro semestre com 100% de crescimento na banda larga fixa