Cade diz que RAN sharing entre Vivo e Claro não traz riscos à competição


A ampliação de cobertura nas localidades a serem atendidas pode gerar benefícios de qualidade a seus usuários, algum incremento de competitividade e consequente ampliação de rivalidade, afirma o órgão antitruste, que aprova a operação sem restrições

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) já tem parecer sobre o acordo de RAN sharing entre Vivo e Claro e a Superintendência-Geral do órgão recomenda a aprovação da operação sem restrições, por não ensejar riscos ao ambiente competitivo. A Algar contestou o acordo, mas seus argumentos foram rejeitados. 

De acordo com o parecer, o contrato apresentado possui escopo tecnológico bem definido, envolvendo RAN sharing em tecnologia 3G com arquitetura MOCN, soluções essas já recebidas pelo Cade em operações anteriores, inclusive com compartilhamento de espectro. E afirma que há uma abrangência significativamente limitada do contrato, envolvendo 81 ERBs em localidades pouco adensadas em estados da região Nordeste, sendo a maioria delas municípios com até 30 mil habitantes, o que inclusive dispensa a anuência prévia da Anatel. 

PUBLICIDADE

Além disso, afirma que, embora o contrato não preveja a adoção formal de chinese walls, possui previsão contratual de que a troca de informações entre as partes será limitada àquelas necessárias à execução do acordo de compartilhamento. Da mesma forma, o acordo de confidencialidade, indica explicitamente a vedação da troca, entre as partes, de informações concorrencialmente sensíveis, relacionadas ao desempenho das suas atividades comerciais. 

De outro modo, a SG sustenta que o contrato não possui cláusulas de exclusividade e, ainda, há itens que indicam a possibilidade de entrada de terceiros, situação reforçada pela presença regulatória e fiscalizatória da Anatel, a qual possui atuação específica visando coibir o fechamento de mercado, inclusive no que tange ao uso do roaming por operadoras concorrentes. “O contrato possui duração limitada, contendo cláusulas que preveem o seu desligamento gradual. Portanto, dado o seu escopo e a sua abrangência, é baixo o risco de irreversibilidade”, entende. 

Para a SG, as partes atuam em mercado que opera com baixa assimetria de informações, com relativa homogeneidade de preços e tipos de serviços, havendo uma alta substituibilidade entre produtos de uma operadora para outra. “Ademais, pelas razões expostas ao longo deste parecer, não se espera que a presente operação incentive a colusão entre as partes”, avalia o órgão antitruste. 

Outra posição do Cade é de que verifica-se que as operações de RAN sharing já analisadas pelo órgão não ensejaram, até o melhor conhecimento, a prática de condutas unilaterais ou concertadas no mercado de SMP. “A ampliação de cobertura da Claro nas localidades a serem atendidas pode gerar benefícios de qualidade a seus usuários e, oportunamente, algum incremento de competitividade, dada a possibilidade de captura de novos clientes e consequente ampliação de rivalidade”, afirma. 

Na avaliação da SG, a operação não suscita, ex ante, preocupações concorrenciais, não tendo a capacidade de alterar ou promover quaisquer incentivos à restrição do ímpeto competitivo que já não sejam preexistentes. “A decisão pela aprovação se dá porque, analisados todos os fatores apresentados, constata-se que, além de não alterar, ao menos, os atuais incentivos das operadoras para incorrerem em eventuais condutas anticompetitivas, permite a ampliação de cobertura de mais uma operadora (Claro) em áreas com baixa densidade e menor interesse econômico”, avalia. 

A autarquia ressalta, entretanto, que contratos de RAN sharing demandam uma análise cuidadosa, do tipo caso a caso. “O fato de até o presente essas operações terem sido aprovadas sem restrições, não significa, frente inclusive o aumento no número destes tipos de acordos, que quaisquer contratos, no futuro, serão automaticamente aprovados por este Cade”, adverte. 

“Fatores como: o grau de concentração do mercado; o possível aumento de operações que envolvam players concorrentes, incluindo os casos de RAN sharing; e a implantação de novas tecnologias, como a de 5G, podem, já a curto prazo, interferir na dinâmica concorrencial vigente. Tal cenário requer desta autoridade antitruste uma atuação vigilante no sentido de preservar e promover a concorrência no mercado de SMP”, sustenta a SG no parecer. 

Operação 

A Operação, notificada em dezembro de 2020, consiste em um contrato de RAN sharing com cessão unilateral, envolvendo 81 Estações Rádio Base (ERB) ou “Cell site” (“Sites”), no qual a Telefônica compartilhará sua rede de acesso e espectro de radiofrequência à Claro por meio de contraprestação financeira. As requerentes  argumentam que esse compartilhamento unilateral não configura qualquer divisão de riscos nem de resultados, tratando-se apenas de fornecimento, pela Telefônica, do acesso à rede por meio de contrato que prevê remuneração.  

As partes alegam, ainda, que cada requerente continuará responsável, individualmente, por seus custos, estrutura organizacional e tomada de decisão e que a operação não representa qualquer transferência de ativos entre as empresas, não alterando a independência da Claro e da Telefônica na prestação de serviços de SMP e não impactando as suas estratégias comerciais. 

Em janeiro deste ano, a Algar Telecom solicitou habilitação como terceiro interessado nos autos, indicando haver na operação preocupações que requeiram uma análise mais aprofundada por este Cade. 

PUBLICIDADE
Anterior Instituto Atlântico celebra índice de excelência no NPS
Próximos Constelação de bancos e fintechs na nuvem AWS