Cade aprova acordo entre TIM e Anhanguera por cursos de graduação via celular


O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou sem restrições a futura aquisição, pela TIM, de participação societária de até 30% do capital social da Sociedade Ampli, a ser constituída e controlada pela Anhanguera Educacional Participações. De acordo com as empresas, a Sociedade Ampli oferecerá cursos por meio da plataforma digital, desenvolvida para ser acessada por meio do celular com cursos de graduação, pós-graduação e cursos livres ligados a profissões do futuro. 

As empresas explicaram que, para a TIM, a operação se encaixa na estratégia de Plataforma de Clientes que vem sendo trabalhada pela empresa, buscando monetização de ativos por meio de parcerias estratégicas que criem valor tanto para a companhia como para os clientes. Dessa forma, o negócio permitirá sua entrada nos mercados de graduação, pós-graduação e cursos livres à distância, visando à diferenciação de seus planos de serviços ao agregar conteúdos digitais nas ofertas realizadas aos consumidores.  

PUBLICIDADE

Já para a Anhanguera, a operação permitirá ampliar o alcance de suas ofertas de cursos de graduação, pós-graduação e livres à distância por meio da promoção da plataforma Ampli juntamente com a TIM, o que, por sua vez, fomentará o acesso à educação para milhões de brasileiros. O acordo envolverá a transferência da mantença, autorização regulatória expedida pelo Ministério da Educação (MEC) para a operação do Centro Universitário Anhanguera Pitágoras Ampli, para a Sociedade Ampli. 

Segundo a Superintendência-Geral do Cade, mesmo de forma bem conservadora, poder-se-ia aventar uma potencial integração vertical entre a atividade a ser desempenhada pela Sociedade Ampli (que será acessada por meio de celular) nos mercados de graduação, pós-graduação e cursos livres à distância e as atividades da TIM nos mercados de telefonia móvel e acesso à internet. “Ainda assim, não se vislumbraria a possibilidade de um potencial fechamento de mercado como consequência da operação, isso porque a participação da TIM no mercado nacional de serviço móvel pessoal não ultrapassaria 30% (filtro a partir do qual se presume possibilidade de fechamento de mercado) e de 1,8% no mercado de acesso à internet fixa”, afirma no parecer. 

Além disso, sustenta a SG, a Plataforma Ampli não é exclusiva aos usuários de telefonia móvel da TIM, podendo ser acessada por usuários de outras operadoras de celular, conforme informações disponíveis no website da plataforma. “Considerando o exposto, esta SG conclui que a operação não tem o condão de causar prejuízos à concorrência nos mercados de atuação das partes no Brasil”, conclui.  

Anterior Descarbonização do setor energético passa por mudanças na política de radiofrequências, diz UTC
Próximos PGR pede suspensão da MP das Redes Sociais