Associação Neo quer bloquear a compra da Warner pela Discovery


A Associação Neo foi aceita na sexta-feira, 12, pela Superintendência-Geral do Cade  como terceira interessada no processo de venda da WarnerMedia à Discovery. A entidade critica o negócio e pede que seja recusado.

A transação, anunciada em maio, vai render US$ 43 bilhões à AT&T. O resultado será a criação de um conglomerado de entretenimento, reunindo estúdios de cinema, produtoras e programadoras de TV por assinatura, que será chamado de Warner Bros. Discovery.

Os efeitos da transação no Brasil, conforme as próprias AT&T e Discovery, serão a sobreposição horizontal nos segmentos de produção e licenciamento de conteúdo audiovisual; licenciamento (ou distribuição) de canais para TV por assinatura para operadoras de TV por assinatura e licenciamento para produtos de consumo. Mas em nenhum caso, defendem, há preocupações concorrenciais por conta da competição de Globo, Disney e Viacom CBS, defendem.

A Associação Neo discorda diametralmente do entendimento de AT&T e Discovery. Para a entidade, que representa ISPs, haverá concentração no mercado de licenciamento de canais de TV paga para operadoras de pequeno porte, levando a aumento de preços e redução da diversidade de conteúdo ao consumidor final.

A Neo diz que as empresas terão incentivos para diminuir a qualidade da programação dos canas de TV paga, a fim de concentrar esforços na obtenção de clientes para seus serviços sob demanda, distribuídos sem intermediários diretamente ao consumidor final. E acrescenta que a Discovery não terá incentivos para negociar a distribuição de seus apps por provedores de internet.

“A NEO entende que a Operação resultará em nítidos efeitos anticompetitivos. De fato, a Operação criará a segunda maior licenciadora de canais de TV por assinatura do Brasil, sendo as participações de mercado combinadas das Requerentes superiores a 30% no espaço de programação de canais de TV por assinatura em geral e no mercado de filmes e séries básicos, ao passo em que são superiores a 50% no segmento de canais infantis”, avalia a Neo.

A entidade foi a única a solicitar inclusão como interessada no processo instaurado pelo Cade. A autarquia já colheu o posicionamento de empresas que tenham algum contrato com a WarnerMedia ou Discovery. Responderam a questionamentos Claro, Vivo, Grupo Globo, Sky Brasil, Band, Box Brasil, AMC Networks, Netflix, Apple TV, Disney, Viacom, Google, Oi, entre outros. As respostas, no entanto, foram declaradas confidenciais.

PUBLICIDADE
Anterior CCTCI propõe audiência pública para debater VoD
Próximos Acessos à banda larga fixa crescem 11,2% no ano