Bright Green Book 2 é anunciado no SmartCities Mundi


Crédito: TV.Síntese
Crédito: TV.Síntese

O lançamento do segundo volume do Bright Green Book, publicação que vai reunir 200 casos de inovação de impacto, ESG e de soluções de grandes problemas urbanos do planeta, foi anunciado nesta quarta-feira, 22, durante o SmartCities Mundi. O livro é produzido pelo Fórum das Américas, que este ano foi parceiro da Tele.Síntese na organização do evento.

O livro deve sair entre o final de outubro e início de novembro, como afirmou Gustavo Westmann, assessor especial para o Brics, do Ministério das Relações Exteriores e presidente do Conselho Consultivo da publicação. Segundo ele, a exemplo do primeiro volume, o Bright Green Book 2 contribuirá para o desenvolvimento de cidades em todo o planeta.

PUBLICIDADE

O Bright Green Book 1, lançado em 2011, foi considerado “O livro verde do século 21”, com 100 casos de Impacto socioeconômico e ambiental, com apoio da ONU habitat, UNDP, Itamaraty, Governo da Itália, Holanda, Dinamarca, Prefeitura do Rio de Janeiro, centenas de empresas e instituições entre elas, Cisco, Bloomberg, Enel Green Power. A publicação foi relançada no evento.

Cases como a Floresta Mobile, que aproveita os restos de madeira para produzir móveis, objetos de decoração e arte, reunindo comunidades do Baixo Juruá, no Amazonas, uma Ong mineira e outra italiana, foram apresentados no debate desta quarta-feira. João Campos-Silva, do Instituto Juruá, afirma que o projeto cria valor para a floresta em pé e beneficia várias comunidades indígenas.

O projeto de recuperação de igarapé em Belém do Pará, que visa levar desenvolvimento para 20 bairros da cidade, também foi selecionado para o livro. Assim como a experiência da PPP Piauí Conectado, que está levando fibra óptica para os 224 municípios do estado nordestino, que antes era o vice-campeão da desconexão.

Segundo Robson Oliveira, do Fórum das Américas, o novo volume vai focar em soluções para cidades médias e pequenas. “Mais de cinco mil municípios brasileiros têm menos de 300 mil habitantes”, justificou.

O SmartCities Mundi é um evento produzido pelo Tele.Síntese e que este ano contou com a parceria do Fórum das Américas. O objetivo é debater as inúmeras soluções tecnológicas que podem tornar as cidades mais humanas, seguras e integradas.

PUBLICIDADE
Anterior Dados abertos no Brasil: onde estamos e onde podemos chegar, segundo especialistas
Próximos Iluminação pública é porta de entrada para digitalização das cidades, diz American Tower