BRAVI lamenta que isenção de Condecine Título tenha surgido como ‘jabuti’


Mauro Garcia, presidente da entidade, se manifestou sobre a decisão

A isenção da Condecine Título para plataformas de streaming – que ainda não foi sancionada pelo Presidente da República – foi mal colocada e carrega um prejuízo para o futuro de arrecadação do Fundo Setorial do Audiovisual. É o que diz Mauro Garcia, presidente executivo da BRAVI (Associação Brasileira de Produtoras Independentes de Televisão).

A medida foi inserida na MP 1018/2020, encaminhada ao Congresso para desonerar as antenas de satélite de banda larga, conhecidas como VSAT, diminuindo a taxa do Fistel (Fundo de Fiscalização das Telecomunicações). A inserção surgiu como um “jabuti”, termo parlamentar para quando alguém coloca na proposta um tema fora do assunto.

“Lamentamos que apenas a isenção da Condecine tenha sido incluída em emenda numa MP sobre outro tema, minimizando e banalizando uma regulação que é tão importante e que é fruto de amplos debates e regulações em todo o mundo”, diz Garcia, em comunicado.

A BRAVI representa 675 produtoras, de 21 Estados das cinco regiões do Brasil. Oferece apoio por meio de iniciativas como Projeto Setorial de Exportação, capacitação, políticas públicas para o setor e desenvolvimento do mercado interno.

No final do mês passado, entidades dos setores de rádio e televisão defendiam a isenção de Condecine a plataformas de streaming.

Anterior Multada em mais de R$ 1,35 bi, Google vai mudar regras de publicidade na França
Próximos Vivo levará fibra para 25 novas cidades de MG em 2021