Brasscom lança carta de princípios para as techs


Crédito: divulgação
Crédito: divulgação

A Brasscom, Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e de Tecnologias Digitais, publicou carta de princípios para o trabalho nas companhias do setor.

O documento surge para posicionar as empresas de tecnologia dentro do atual momento.

PUBLICIDADE

“O trabalho remoto veio para ficar, mas sua implementação ainda é um desafio. É necessário cuidado para que as implicações legais não gerem incertezas, tanto para os empregados quanto para as empresas, com a possibilidade de disputas decorrentes do não cumprimento dos direitos trabalhistas”, aponta a Brasscom, na carta.

“Conforme a OECD, nas tendências recentes do mercado de trabalho são necessárias políticas para garantir a proteção dos trabalhadores e evitar abusos, além de garantir que as empresas que cumprem os regulamentos não sejam indevidamente desfavorecidas. Dessa forma é necessária uma abordagem abrangente das empresas de tecnologia, visando uma força de trabalho mais resiliente, mais talentosa e com remuneração condizente, bem como, uma sociedade mais robusta e equitativa”, justifica.

Neste sentido, segundo a Brasscom, “o Macrossetor de TIC e as empresas intensivas em tecnologia devem se preparar para compreender e responder às mudanças no mundo do trabalho e para ter um papel de protagonista perante o desafio global de garantir trabalho decente e inclusivo para todos os homens e mulheres”.

“Incentivamos todas as empresas, parceiros, fornecedores, contratante de serviços de tecnologia e clientes do Macrossetor de TIC a se juntarem na adoção dos princípios propostos”, pede.

A lista

A relação da Brasscom tem cinco princípios básicos:

a) negócios com ética

b) tomada de decisões

c) direitos humanos

d) segurança, saúde, bem estar e previdência social

e) diálogo entre as partes interessadas

“Aplicar práticas empresariais éticas em acordo com as leis locais e sistemas sólidos de governança e transparência corporativa” é a orientação para realizar negócios com ética.

Sobre o segundo dos cinco princípios, a Brasscom pede às empresas que integrem a gestão de contratos e fornecedores na estratégia corporativa e nos processos de tomada de decisão.

“Respeitar os direitos humanos e os interesses dos colaboradores” resume o terceiro item da carta.

Para a Brasscom, que nesta quarta, 23, também publicou propostas de políticas digitais para os presidenciáveis, diz, sobre a carta de princípios para as empresas, que é necessário “assegurar a seguridade social garantindo dignidade, segurança e proteção à saúde de fornecedores e colaboradores”.

O quinto princípio tem mais orientações. Para a associação das empresas do setor, é preciso envolver, de modo aberto, transparente e de forma proativa as principais partes interessadas, incluindo clientes, contratante de serviços de tecnologia e parceiros intersetoriais, nos desafios e oportunidades “visando inclusão social, trabalho decente e geração de emprego”.

PUBLICIDADE
Anterior Marco legal da AI deve ouvir a ANPD, diz Ortunho
Próximos Abrint quer prazo maior para troca de roteador de clientes