Brasileiro passou 3h45 por dia usando aplicativos em 2019


A consultoria App Annie publicou nesta semana seu relatório anual sobre o estado do mercado global de aplicativos móveis. E constatou mais uma vez que o Brasil figura entre os três principais consumidores, graças às sua característica “mobile first”, em que a digitalização da população e entrada na internet se deu majoritariamente via celular.

Conforme o relatório State of Mobile 2020, as pessoas de todo o mundo passaram em média 3 horas e 40 minutos por dia usando aplicativos em 2019. O índice é 35% maior do que em 2017.

PUBLICIDADE

Já o brasileiro usou apps por 3 horas e 45 minutos, um pouco mais que a média mundial. Apenas chineses, que usaram por 4 horas, e indonésios, que usaram por 4 horas e 40 minutos, ficaram mais tempo navegando em aplicações. Em seguida, vêm a Coreia do Sul (3h40) e Índia (3h30).

Na comparação entre 2019 e 2017, a China obteve a maior ampliação (60%), seguida pela Índia, o Canadá e a França (25%), a Indonésia (20%) e o Brasil, a Alemanha, Coreia do Sul, o Japão e Reino Unido (15%). Os dados de tempo de navegação levam em conta sessões de uso apenas em aparelhos Android. A App Annie não contabilizou dados de iPhones ou outras plataformas.

No mundo, mais da metade do tempo gasto é com aplicativos de mídia social e comunicação. 21% do tmepo é destinado a vídeo e entretenimento, enquanto 9% vai para jogos, e 19% para outras funções. O material não traz distinção similar para o Brasil apenas.

O download anual de aplicativos cresceu 45% nos últimos três anos: saiu de 140 bilhões em 2016 para chegar a quase 204 bilhões em 2019. No Brasil, esse aumento foi de 40%, atingindo cerca de 5 bi no ano passado. Entre as nações, o maior aumento no período foi da Índia: 190%. Neste caso, a App Annie considerou também os downloads realizados para iOS e Android, inclusive lojas chinesas distintas da App Store (Apple) e Google Play.  (Com Agência Brasil)

Anterior F5 Networks paga US$ 1 bi pela Shape Segurança
Próximos Apesar de conectado, brasileiro gasta menos com apps que usuários de outros países