Brasil pode perder posto de maior mercado de TV paga da AL este ano, diz ABTA


antena-ceu-satelite-tv-paga-dish-sky-directvO Brasil, atualmente maior mercado de assinantes de TV da América Latina, está prestes a perder o posto. Até o final do ano, o México deverá ter mais usuários, conforme a Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (ABTA). Atualmente, há aqui 18,91 milhões de usuários de TV paga. No México, eram 17,4 milhões em dezembro, com média de pouco mais de 1 milhão de adesões ao ano.

Os motivos para a mudança no ranking regional são vários. Lá fora, a TV paga mexicana ganhou impulso nos últimos anos com o desligamento da TV analógica, em 2013. Aqui, a economia abalou a capacidade dos usuários de seguirem pagando mensalidades para receber conteúdo televisivo, o que levou a uma retração do setor nos últimos dois anos.

Aos olhos da ABTA, porém, o pior da retração passou. A entidade apresentou hoje, 21, em São Paulo, dados do desempenho do setor no qual aponta que o pico da queda na quantidade de assinantes foi de -0,95% em novembro de 2015. Depois daquele mês, embora as perdas continuem, diminuíram para o patamar de -0,2%, registrado em março e -0,29% em abril.

PUBLICIDADE

“O fundo do poço está próximo. Acredito que os números de julho vão mostrar estabilidade, o que sinaliza condições de retomada do crescimento”, diz Oscar Simões, presidente executivo da entidade – que reúne operadoras e programadoras. Os números da ABTA mostram queda da base de 4,3%, enquanto o PIB nacional caiu 5,75% entre abril de 2015 e abril de 2016.

A organização também destaca que a audiência da TV por assinatura dobrou nos últimos três anos, atingindo 2 milhões pessoas conectadas por minuto. Estaria havendo uma troca de tecnologia, uma vez que a base de usuários da DTH (por satélite) encolheu 9,3%, enquanto a do cabo e da fibra cresceram.

Economia
Simões atribui a evasão dos serviços de TV por assinatura ocorrida nos últimos dois anos aos percalços da economia. “Aqui no Brasil a gente não percebe impacto do cord cutter [pessoas que passam a assinar apenas serviços digitais on demand]. Os OTTs aparecem sempre como serviços complementares”, diz.

Uma vez que os problemas econômicos levaram a desligamentos, o aumento de impostos teve papel crucial. A entidade revelou dados mostrando que, dos oito estados com maior proporção de cancelamentos no último ano, sete elevaram a carga do ICMS.

Os estados campeões de aumento de desligamentos foram Amapá (-16,9%), Rondônia (-12,8%), Alagoas (-12,2%), Pernambuco (-11,1%), Mato Grosso (-9,9%), Roraima (-9,5%), Tocantins (-9,3%) e Goiás (-8,8%). Destes, apenas Rondônia não mexeu no imposto.

A entidade também falou que o setor não está de braços cruzados à mercê da ameaça de serviços sob demanda que chegam ao Brasil. Pelo contrário. No último ano canais e distribuidores lançaram, no país, ao menos 35 serviços de entrega de conteúdo sob demanda. “Há uma clara tendência de intensificação da oferta On Demand. O setor respondeu rapidamente à demanda do mercado”, resume Simões.

Anterior Brasil não pode prescindir do Estado nas telecomunicações, diz advogado
Próximos ABTA descarta danos ao cliente de TV paga da Oi por causa da recuperação judicial