Bolsas de todo o mundo caem com susto nos EUA


TeleSintese-Grafico-negativo-seta-descendo-caindo-baixa-Fotolia_113746058

As bolsas de valores de todo o mundo apresentam forte retração (Tóquio recuou 4,73%) e na Europa as bolsas caem mais de 4% depois que as ações em Nova Iorque tiveram o pior desempenho dos últimos tempos no dia de ontem, caindo 1,175 pontos nesta segunda, dia 5.

Se o índice Dow Jones teve essa queda acentuada, o índice Nasdaq – que congrega as 10 maiores empresas de tecnologia – também foi afetado, e perdeu 273 pontos ontem, ou perto de 3%.

PUBLICIDADE

A seguir, as perdas registradas pelas principais companhias de tecnologia:

Amazon: caiu  39,90 pontos (2,8%) para US $ 1.390
Microsoft: caiu  3,78 pontos (4,1%) para US $ 88
Google: caiu  56,81 pontos (5,1%) para US $ 1.062,39
Apple: caiu 4.01 pontos (2,5%) para $ 156.49
Facebook: caiu 9,02 pontos (4,7%) para US $ 181,26
T-Mobile: caiu 2.05 pontos (3,2%) para $ 61.54

No Oriente

Hoje, o índice Nikkei de Tóquio fechou em queda de 4,73%, aos 21.610,24 pontos. Foi a maior baixa desde novembro de 2016. O Topix, segundo principal indicador, caiu 4,4%, no mesmo momento, para 1.743,41 pontos.

Os principais índices acionários da China registraram forte queda, com o índice de Xangai registrando a maior perda em quase dois anos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, teve queda de 2,94%, enquanto o índice de Xangai caiu 3,38%, a maior queda diária desde fevereiro de 2016.

Na Europa

Nesta manhã, a maioria das bolsas europeias iniciou o dia em queda. A Bolsa de Valores de Londres abriu em baixa de 3,44 %. O índice Stoxx 600, que representa ações de companhias de 17 países do bloco, também recuava: 2,8%. O índice DAX, que concentra ações alemãs, caía 3,6%, a maior baixa intradia desde junho de 2016. Na Rússia, a bolsa tinha baixa de 2,1%, a maior desde julho.

A bolsa de Madri (Ibex-35) recuava 2,53%, a de Paris (CAC-40), abriu em baixa de 3,05% e a de Frankfurt (DAX-30), em queda de 3,3%.

Anterior TIM fecha 2017 com lucro 66% maior
Próximos Ligação fixa/móvel fica até 12% mais barata