BNDES enquadra fibra óptica no Finame


Já está liberado o financiamento de cabos e fibras ópticas pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) pelo Finame/PSI. “O financiamento obedece às condições da linha Finame, que foram melhoradas pelo programa PSI”, explicou Fernão de Souza Vale, da área técnica do BNDES, em palestra realizada hoje no 5º Encontro Provedores Regionais, realizado pela Bit Social em Curitiba, Paraná.  O enquadramento da fibra no Finame era uma antiga reivindicação dos provedores regionais, que ganhou dimensão com a implantação de redes ópticas pelo interior do país.

As condições estabelecidas são de juros de 4% para produtos com tecnologia nacional, que têm 96 meses para o pagamento, e 4,5% para aqueles com tecnologia importada e produção nacional (PPB), com prazo de pagamento em 60 meses. Os recursos do BNDES via Finame podem ser obtidos pelos agentes financeiros do BNDES.  Isto porque o banco financia diretamente operações acima de R$ 20 milhões, com exceção do programa Inovação e de software, com financiamentos acima de R$ 1 milhão.

Os fornecedores de cabos ópticos que já se credenciaram junto ao banco são Fibracem, Furukawa e Prysmian. Para eles, o enquadramento da fibra no Finame vai significar uma ampliação do mercado, já que os provedores regionais responderam, em 2013, por 25% das vendas da Furukawa no Brasil.

PUBLICIDADE

Os Encontros

A série de Encontros Provedores Regionais, iniciada no ano passado pela Bit Social, que publica a revista ARede, está em sua quinta edição. No ano passado, os eventos foram realizados em Fortaleza (CE), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF) e Recife (PE). Este ano, o primeiro foi realizado em Curitiba. Os próximos estão programados para o dia 15 de abril, em Marabá (PA); 22 de maio, em Natal (RN) e 22 de julho, no Rio de Janeiro (RJ).

A iniciativa da Bit Social tem por objetivo levar formação, e informação, para os provedores regionais, que atendem pequenas cidades e áreas distantes. De acordo com dados do MiniCom, os pequenos provedores já têm cerca de 10% do mercado, equivalente a base da GVT. Os Encontros Regionais são realizados com o patrocínio do BNDES, do Sebrae e da Padtec. O Encontro de Curitiba teve também o patrocínio da MTEL e o apoio da Agora e da Copel Telecom, além de apoio institucional da Abrint e da Momento Editorial.

Anterior Teles lideram ranking de empresas mais reclamadas no Procon-SP em 2013
Próximos Algar Telecom quer dobrar a receita em cinco anos