Nextel libera SMS enquanto WhatsApp estiver suspenso


A operadora móvel Nextel está liberando o uso do SMS entre seus clientes. A medida vale enquanto o WhatsApp permanecer bloqueado, segundo determinação judicial.

O mais novo bloqueio do serviço de troca de mensagens instantâneas WhatsApp, determinado pela Justiça do Rio de Janeiro e obedecido pelas operadoras brasileiras, já gera comoção nas redes sociais e no setor de tecnologia. A Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net), soltou nota em que pede uma solução intermediária, que independa do negar o acesso ao app.

“É preciso encontrar um meio-termo para essa situação de suspensão no Whatsapp, pois os reflexos de uma medida como essa são desastrosos tanto para a população quanto para a economia brasileira”, defende Leonardo Palhares, vice-presidente de Estratégias da camara-e.net.

PUBLICIDADE

Esta é a terceira vez em menos de um ano que a Justiça brasileira ordena o bloqueio do Whatsapp. Desta vez não há prazo determinado para o bloqueio. A ferramenta tem mais de 100 milhões de usuários do aplicativo no Brasil, segundo a câmara de comércio eletrônico. “O bloqueio da ferramenta não prejudica apenas os usuários, mas milhares de pequenos negócios que utilizam o aplicativo para a comunicação com clientes e fornecedores. Como das outras vezes em que o aplicativo foi suspenso, há uma desproporcionalidade na aplicação da lei”, completa Palhares.

A Justiça quer que o Facebook intercepte mensagens trocadas por pessoas envolvidas em crimes na região de Duque de Caxias antes de serem criptografadas ou que disponibilize tecnologia que permita a quebra da criptografia em tempo real (uma espécie de grampo telefônico no Whatsapp).

O primeiro bloqueio do WhatsApp no Brasil aconteceu em dezembro do ano passado, sendo derrubado por liminar em menos de 24 horas. A segunda, em maio deste ano, deixou o aplicativo fora do ar por 24 horas. Os juízes que pediram a suspensão alegam que o Facebook se recusa a enviar informações sobre usuários que estão sob investigação.

Por sua vez, o Facebook diz não ser possível fornecer os dados pedidos. O CEO do WhatsApp, Jan Koum, divulgou nota em que diz já estar buscando a retomada do serviço. “Nos últimos dois meses, pessoas de todo o Brasil rejeitaram bloqueios judiciais de serviços como o WhatsApp. Passos indiscriminados como estes ameaçam a capacidade das pessoas para se comunicar, para administrar seus negócios e viver suas vidas. Como já dissemos no passado, não podemos compartilhar informações às quais não temos acesso. Esperamos ver este bloqueio suspenso assim que possível”, afirma a empresa.

Anterior "Direito ao esquecimento" não é censura e precisa de lei, diz procurador
Próximos Governo Temer quer ter acesso às informações do WhatsApp e elabora lei