Bird alerta: impacto da tecnologia digital é menor do que o esperado


shutterstock_Mathias Rosenthal_internetO Banco Mundial divulgou hoje,7, em Brasília, em seminário promovido pelo governo, o Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial do Dividendo Digital. Algumas das conclusões do estudo são preocupantes.

Entre elas, alerta o Bird,  a internet ainda não está universalmente acessível e nem economicamente viável para a maioria da população mundial.  ” O custo da tecnologia diminuiu, mas o custo de acesso do consumidor ainda varia muito. Em 2013, o preço dos serviços típicos de telefonia celular no país mais caro era 50 vezes o do país mais barato. No caso da banda larga, o custo varia 100 vezes. Razão principal: políticas fracassadas, tais como privatização conturbada; tributação excessiva; e controle de monopólio de portais internacionais”, aponta o relatório.

O banco relata ainda que, “embora haja muitos relatos de sucesso, os impactos das tecnologias digitais em seu conjunto até agora têm sido menores do que o esperado. As empresas estão mais conectadas do que nunca, mas tem diminuído o ritmo de crescimento da produtividade global”.

PUBLICIDADE

Ele apontou também que as tecnologias digitais estão” mudando o mundo do trabalho, mas os mercados de trabalho ficaram mais polarizados, e a desigualdade está aumentando em muitos países. E embora a internet facilite um amplo discurso, alguns indicadores de governança – tais como a parcela de eleições livres e justas – estão piorando. Novos empregos estão sendo criados, mas a automação de empregos de nível médio tem contribuído para um esvaziamento dos mercados de trabalho”.

Em síntese, conclui o relatório, as estratégias de desenvolvimento digital precisam ser muito mais amplas do que as estratégias de TIC. “A “Conectividade para Todos” continua a ser uma meta importante e um enorme desafio. Mas para proporcionar os maiores benefícios, os países também precisam criar o ambiente certo para a tecnologia”.

Anterior Baidu vai acelerar startups brasileiras
Próximos Anatel planeja um "mercado livre" para venda de frequências pela Internet