Biometria colhida pelo TSE será usada pelo governo


O governo federal e o Tribunal Superior Eleitoral firmaram um acordo para a utilização de biometria coletada pelo TSE na Identificação Civil Nacional (ICN). Até o momento, 120 milhões de pessoas possuem cadastro biométrico em todo o país.

A cooperação técnica foi firmada pelo ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Onyx Lorenzoni, pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do tribunal, ministro Luís Roberto Barroso.

PUBLICIDADE

Segundo o ministro Barroso, os dados cedidos ao governo só poderão ser usados mediante autorização dos titulares. “A conferência de dados, com base nos dados do Tribunal Superior Eleitoral, sempre terá a anuência do interessado e, portanto, não há nenhuma violação de privacidade. Tudo é feito em pleno respeito à Lei Geral de Proteção de Dados”, disse.

A ICN foi instituída pela Lei 13.444/17, que já previa o acesso pelo governo às bases de dados de biometria da Justiça Eleitoral. Será usado na criação de um Documento Nacional de Identificação (DNI). A DNI será gerada por um aplicativo gratuito para smartphone e tablet com sistemas Android e iOS, a ser distribuído pelo governo federal. A ferramenta tem o formato wallet, ou seja, poderá reunir outros documentos, tais como: CPF, CNH e Título Eleitoral.

A integração das base de dados biométricos do TSE ao Gov.br deve ser feita até 2025. Mas antes, até meados desse ano, o governo deverá elaborar um projeto de lançamento do DNI.

Acordo de Cooperação Técnica

Pelo acordo assinado, o TSE, a Secretaria-Geral da Presidência da República e o Ministério da Economia deverão especificar e implementar a prestação do serviço de conferência da Base de Dados da Identificação Civil Nacional (BDICN) junto à plataforma gov.br. Devem ainda estabelecer processo de acompanhamento e gestão da prestação de serviços que observe a capacidade operacional de conferência de dados da BDICN e a demanda desses serviços por entidades públicas ou privadas. Além disso, no processo de gestão, deverão ser estabelecidas franquias que respeitem o equilíbrio entre a prioridade de atendimento a órgãos públicos e a sustentabilidade financeira da ICN.

O acordo prevê também a gestão sobre investimentos de recursos do Fundo da Identificação Civil Nacional (FICN) em consonância com as diretrizes editadas pelo Comitê Gestor da Identificação Civil Nacional (CGICN), entre outros. O Comitê é composto por representantes do Poder Executivo Federal, do TSE, do Senado Federal, da Câmara dos Deputados e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Para a execução das atividades, será criado um plano de trabalho, que deverá ser periodicamente revisado de forma conjunta entre os participantes do acordo. O plano deve conter metas e cronograma de atividades, bem como as atribuições dos controladores e operadores das bases de dados que serão objeto de tratamento.

Os termos do acordo de cooperação técnica podem ser acessados aqui.

Anterior IX.br bate recorde histórico ao atingir 16 Tbps de pico de tráfego
Próximos Embratel lança versão atualizada do Portal Analytic para solução Wi-Fi Seguro