BH trava instalação de antenas e economia digital


 

A legislação atual para Telecomunicações em Belo Horizonte é inadequada, burocrática e provoca  estagnação no desenvolvimento econômico, afirmou o vice-presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), Teodomiro Camargos, ao participar do Fórum Cidades Inteligentes, IoT e Conectividade: Perspectivas e Desafios, que aconteceu nesta quinta-feira, 3, na capital mineira, realizado pelo SindiTelebrasill, sindicato das operadoras de telecom, e a Fiemg.

“Belo Horizonte precisa mudar a sua matriz econômica para se adequar à era digital. E a nossa legislação é antiga, defasada e ficou parada no século retrasado”, pontuou Camargos. Ele lembrou que, em novembro, Minas Gerais vai implantar uma plataforma para conectar os seus 853 municípios para fomentar a oferta de serviços mais inteligentes. “E sem conectividade, esse projeto perde muito a sua valia”, sinalizou. O vice-presidente  lamentou o fato de BH estar nas últimas posições no Ranking das Cidades Amigas da Internet, produzido pela Teleco.

PUBLICIDADE

O vereador Gabriel Azevedo (PHS/MG) observou que capital está muito longe de ser uma cidade digital e inteligente. “Cidade inteligente não é só conectividade, mas não existe sem ela”, afirmou o vereador. Segundo ainda o parlamentar, BH precisa entender que a competição por desenvolvimento não é mais local ou mesmo no País, ela é global e exige novas ferramentas como é a conectividade.

Vice-lanterna

Belo Horizonte ocupa a 97ª posição, entre os 100 maiores municípios brasileiros em população, no Ranking das Cidades Amigas da Internet, perdendo quatro posições em 2019 em relação a 2018. Entre as capitais de Estado, BH só fica à frente da cidade de São Paulo, que ocupa a lanterna do ranking, mostrou o presidente da Teleco e responsável pelo estudo, Eduardo Tude.

O consultor observou que sete das 10 cidades que subiram posições no ranking o fizeram porque atualizaram as suas legislações como Porto Alegre no ano passado. BH precisa, entre outras mudanças, acelerar o prazo de autorização de instalação de antenas. (Com Agência Telebrasil)

Anterior LGPD sai enfraquecida após análise dos vetos, avaliam especialistas
Próximos Publicada sem vetos a lei que redefine o modelo de telecomunicações no país